Albert Gea/Reuters
Albert Gea/Reuters

Messi critica desigualdade social em rara entrevista sobre temas políticos

Em um raro momento na carreira, atacante argentino comenta sobre assuntos fora do futebol

AFP, O Estado de S.Paulo

16 de outubro de 2020 | 07h47

O atacante Lionel Messi criticou as desigualdades sociais que prevalecem no mundo, numa rara entrevista em que abordou temas políticos à revista La Garganta Poderosa, divulgada na última quinta-feira.  O astro da seleção argentina e do Barcelona também comentou sobre o orgulho que sente de seu país. 

"A desigualdade é um dos grandes problemas de nossa sociedade e devemos lutar para corrigi-la o mais rápido possível", disse o capitão da seleção argentina. Messi, de 33 anos, afirmou: "É fundamental, para quem mais precisa, preservar todos os serviços essenciais em situações como esta pandemia. Água, luz e até alimentos básicos". 

A pandemia do novo coronavírus agravou o índice de pobreza na Argentina, que atingiu 40,9% da população urbana no primeiro semestre de 2020. 

Número 100 para Messi

A estrela do Barcelona participou da edição número 100 da revista produzida por moradores de assentamentos informais. A entrevista com Messi foi publicada após duas vitórias da seleção argentina, contra o Equador (1-0) e a Bolívia (2-1), no início das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022. 

Na primeira página há uma foto do jogador do Barça como se estivesse gritando, pose típica dos convidados da publicação. Em mensagem aos cozinheiros e auxiliares dos refeitórios populares, ele afirmou: "Me dá um orgulho imenso ver como eles se envolvem, mesmo em tempos tão complicados como os que estamos vivendo". 

"Todos os brindes deste ano devem ser para todas as pessoas envolvidas nesta forma de auxílio", destacou. Relembrando sua origem em uma área de classe trabalhadora e de classe média na cidade de Rosário, 300 km ao norte de Buenos Aires, ele afirmou: "Naquela época eu não conseguia nem imaginar a que distância esses passos iniciais me levariam no bairro". 

Em 2011 concedeu à La Garganta Poderosa a sua primeira entrevista na qual revelou: "Me emociono ao ver camisas e bandeiras do Che Guevara, Diego (Maradona), da Argentina em qualquer parte do mundo. É uma sensação linda. Sempre que eu vejo o azul e o branco, me aproximo para perguntar". 

"Hoje estou menos obcecado com o gol, por exemplo, e procuro contribuir ao máximo para o grupo", afirmou em outro momento da entrevista com tom social, mas sem evitar a questão esportiva. O jogador de futebol expôs seu ponto de vista sobre como melhorar as sociedades, apontando que "a educação é a base de tudo." 

Esta revista já publicou entrevistas com atletas renomados como Diego Maradona, Sergio Agüero, Juan Román Riquelme e Emanuel Ginobili, além de personalidades artísticas e políticas.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolMessidesigualdade social

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.