Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Messi desabafa contra a arbitragem: 'A Copa América está armada para o Brasil'

Jogador recusou receber a medalha de bronze e justificou que não compactua com a corrupção

João Prata, O Estado de S.Paulo

06 de julho de 2019 | 19h47
Atualizado 06 de julho de 2019 | 23h42

Messi deixou a Copa América revoltado com a arbitragem. A polêmica eliminação da Argentina para o Brasil na semifinal somou-se a expulsão ainda no primeiro tempo do camisa 10 no jogo com o Chile, na disputa pelo terceiro lugar.

Foi o segundo cartão vermelho que o craque levou em sua  carreira. A outra aconteceu em 2005, em sua estreia pela seleção argentina. Irritado, ele não apareceu para receber a medalha de bronze no gramado e também não posou com o restante do elenco para a foto oficial da competição.

"Um cartão amarelo resolveria. O que disse na vez passada (depois do jogo com o Brasil) talvez tenha servido para agora. Não fui à premiação porque nós não temos que ser parte desta corrupção. Nos faltaram com respeito durante toda esta Copa. Não nos deixaram chegar na final", afirmou.

No final da noite, a Conmebol divulgou nota em que rebate as declarações de Messi, classificando-as como “falta de respeito”, mas não ameaça com nenhum tipo de ação que possa levar a uma punição.

“No futebol às vezes se ganha e às vezes se perde, e um pilar fundamental do fair play é aceitar os resultados com lealdade e respeito”, afirmou a entidade.

“O mesmo ocorre para as decisões arbitrais, que são humanas e sempre serão perceptíveis. É inaceitável que em função de incidentes próprios da competição se lancem acusações infundadas que faltam com a verdade e põem em discussão a integridade da Copa América. É uma falta de respeito à competição, a todos os futebolistas participantes e às centenas de profissionais da Conmebol", continuou o comunicado da entidade que comanda o futebol sul-americano.

Messi foi expulso no fim do primeiro tempo após trocar empurrões com Medel. O árbitro entendeu que os dois mereciam o vermelho. No jogo contra o Brasil, o craque reclamou de dois pênaltis não marcados a favor da Argentina e questionou a isenção do VAR.

Na opinião do camisa 10 do Barcelona, a organização do torneio está beneficiando o Brasil. "Não há dúvidas. A Copa está armada para o Brasil. Tomara que o VAR e o árbitro de vídeo não influenciem na final e que o Peru possa competir. Tem uma boa equipe, mas do jeito que vejo, está difícil", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.