Messi diz não se preocupar com crítica feita antes por Maradona

O atacante argentino Lionel Messi disse não estar preocupado com o fato de Diego Maradona ter sido escolhido para dirigir a seleção do país, apesar de o ex-astro do futebol ter acusado Messi, em outras oportunidades, de não conseguir jogar bem pela seleção. Maradona, capitão da seleção argentina que conquistou a Copa do Mundo de 1986, disse na terça-feira estar prestes a ser nomeado técnico da Argentina. "Essas foram coisas ditas no calor da hora. Eu sei que Diego gosta do meu trabalho e eu não tenho mágoa dele", afirmou Messi, do Barcelona, à edição de quarta-feira do jornal italiano Gazzetta dello Sport. "Não haverá problema nenhum. Ele é fenomenal. Eu o admiro pelo que já fez em nome do futebol argentino. Estou otimista. A geração que conquistou o ouro nas Olimpíadas de Pequim está apta a triunfar novamente", acrescentou o atacante. "Se tivéssemos tido um pouco mais de sorte nas quartas-de-final de 2006, contra a Alemanha, teríamos ganhado. A Argentina vem desperdiçando suas chances nas Copas do Mundo há tempos demais." O técnico da Itália, Marcelo Lippi, que conquistou a Copa do Mundo de 2006, recebeu com satisfação a escolha de uma das mais polêmicas figuras do futebol mundial para comandar a Argentina. "O carisma dele fará com que os jogadores empenhem-se 100 por cento. Eles vão dar ouvidos a ele como a um oráculo", afirmou Lippi a meios de comunicação italianos. A filha de Maradona está grávida do atacante argentino Sergio Aguero, do Atlético de Madri. Messi e Aguero, ambos já descritos como novos Maradonas, concorrem ao prêmio Bola de Ouro. "Eu não sei o que seria capaz de fazer para ser o primeiro argentino a conquistá-lo", afirmou Messi antes de sugerir quem deveria ser o vencedor. "Aguero. Mas Torres e Xavi também merecem. De Cristiano Ronaldo a Kaká, de Ibrahimovic a Rooney, todos estão na disputa. Iniesta (também do Barcelona) está de fora e eu não entendo por que. Ele é um gênio." O respeito de Messi pelo atacante espanhol Fernando Torres estende-se ao clube dele, Liverpool, o qual, para o argentino, é o maior rival do Barcelona na temporada atual da Liga dos Campeões. "Se eu tivesse de escolher, seria o Liverpool", afirmou. "Eles têm Torres, Gerrard, Kuyt, Mascherano. E são um adversário complicado. Talvez haja times que joguem melhor, mas eu vejo o Liverpool na final, em Roma." (Reportagem de Mark Meadows)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.