Vasily Maximov/AFP Photo
Vasily Maximov/AFP Photo

Messi diz que sua continuidade na seleção argentina depende de resultado na Copa

Atacante já anunciou afastamento da equipe nacional anteriormente, após o vice-campeonato da Copa América Centenário de 2016

Estadão Conteúdo

10 Junho 2018 | 12h18

Vice-campeão mundial em 2014, Lionel Messi condicionou o futuro dele na seleção argentina ao resultado na Copa do Mundo na Rússia e criticou a imprensa do país dele por não valorizar as finais alcançadas pela Argentina - foram três em sequência entre 2014 e 2016, com três derrotas. O atacante anunciou aposentadoria da equipe nacional em 2016, após o vice-campeonato da Copa América Centenário, realizada nos Estados Unidos, mas voltou atrás em sua decisão.

+ Tite se diz 'muito feliz e orgulhoso', mas evita adiantar time de estreia na Copa

+ Uruguai desembarca na Rússia após 15 horas de viagem e segue para CT em Borsky

+ Jesus e Coutinho exaltam capacidade do Brasil de furar a retranca da Áustria

"Não sei o que vai acontecer. Dependerá do resultado na Copa. Disputar três finais e perdê-las nos rendeu momentos complicados com a imprensa argentina, por causa das diferenças sobre como se encara uma final. Não foi fácil chegar nelas e é preciso valorizá-las. É certo que o importante é ganhar, mas chegar lá não é fácil", disse Messi em entrevista publicada neste domingo pelo jornal catalão Sport.

O atacante deu a entender que vai continuar na seleção se vencer o Mundial. "Se ganhar essa Copa, minha motivação para continuar será a mesma de antes. Conquistei muitos títulos na carreira e no ano seguinte a motivação era a mesma, a ideia era voltar a vencer. Com a Copa será igual, não mudará nada", garantiu.

Quanto às chances da Argentina, Messi crê que sua seleção está entre as melhores. "Há equipes que chegam muito bem, pelo coletivo e individual dos jogadores, como são os casos de Brasil, Alemanha, Espanha, França e Bélgica. Nosso time tem muitos bons jogadores e a experiência da última Copa. Será um torneio parelho", prevê.

 

Sobre a indicação de um possível jogador para se naturalizar, de qualquer país, Messi não se empolgou. "Há muitos jogadores ótimos por aí, mas nós também temos atletas de nível individual que qualquer seleção gostaria de ter. Não temos de invejar ninguém", enfatizou Messi, que também amargou uma derrota na final da Copa América de 2015, no Chile, quando a sua seleção caiu nos pênaltis diante dos anfitriões - no ano seguinte, nos Estados Unidos, a derrota ocorreu da mesma forma em nova decisão contra os chilenos.

A Argentina de Messi vai estrear no Mundial contra a Islândia, nos próximo sábado, em Moscou. As outras partidas dos argentinos no Grupo D serão contra Croácia e Nigéria.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.