Albert Gea/ Reuters
Albert Gea/ Reuters

Messi é homenageado após recorde de jogos com a camisa do Barcelona

Craque argentino recebe quadro com modelo do primeiro uniforme usado com a equipe catalã

Redação, O Estado de S.Paulo

05 de abril de 2021 | 17h39

Lionel Messi foi homaneageado nesta segunda-feira pelo Barcelona após conquistar mais um recorde, o de jogador com o maior de número de partidas disputadas com a camisa da equipe catalã. O ato aconteceu antes de a bola rolar para o duelo entre o pentacampeão da Liga dos Campeões e o Valladolid, pela 29.ª rodada do Campeonato Espanhol.

O craque argentino antigiu a marca de 768 jogos com o Barcelona na goleada de 6 a 1 sobre a Real Sociedad no dia 21 de março, ultrapassando os números de Xavi Hernández, que fez 767 partidas com a equipe principal entre os anos de 1998 e 2015. Hoje, com 41 anos, o ex-jogador dirige o Al-Sadd, do Catar, onde encerrou sua carreira dentro das quatro linhas. Xavi já havia declarado sua alegria ao ver o ex-companheiros bater seu recorde: "Tinha de ser o Leo. É justo que o melhor jogador da história seja o que mais vezes defendeu as cores do Barça. É uma honra que ele me supere", afirmou ao jornal Mundo Deportivo.

Antes do duelo com o Valladolid, Messi recebeu um quadro com a primeira camisa que usou no time catalão na temporada 2004/2005. Em seguida, entraram no gramado sua mulher, Antonella, e seus três filhos, Thiago, Mateo e Ciro. O argentino ainda posou para fotos com a família e os companheiros do elenco do Barcelona.

O jogador de 33 anos iniciou sua trajetória no Barcelona ainda nas categorias de base em 2000, após deixar seu país natal e o seu clube do coração, o Newell's Old Boys. No time catalão, fez história, passando por equipes inferiores até chegar ao time principal e fazer sua estreia oficial no clássico com o Espanyol, em 16 de outubro de 2004. O primeiro gol saiu apenas no ano seguinte, contra o Albacete

Em tantos anos de clubes, Messi colecionou títulos e prêmios individuais, sendo eleito seis vezes o melhor jogador do mundo pela Fifa e pela revista francesa Ballon d'Or, além de quatro títulos da Liga dos Campeões, três Mundiais de Clubes e dez títulos do Campeonato Espanhol, que nesta temporada é o único relevante em que o Barcelona ainda está na disputa. O craque argentino também está à espera da renovação de seu contrato, que termina em junho. Ele esteve perto de deixar o clube em 2020 e não há garantias de que termine a carreira na equipe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.