Marcos Brindicci/ Reuters
Marcos Brindicci/ Reuters

Messi organiza motim para 'derrubar' Sampaoli na Argentina, diz jornal

Jogadores pedem a saída do treinador antes da partida decisiva contra a Nigéria, pela Copa do Mundo

O Estado de S.Paulo

23 Junho 2018 | 10h53

A relação entre jogadores e o técnico Jorge Sampaoli é das piores possíveis na seleção argentina. Segundo o jornal Clarín, um grupo de atletas, contando com Lionel Messi, pediu para a AFA (Associação de Futebol da Argentina) a demissão do treinador antes mesmo da partida contra a Nigéria, terça-feira, pela terceira rodada da fase de grupos da Copa do Mundo

+ Maradona isenta Messi de culpa por desempenho da Argentina: 'Não passam para ele'

+ Miranda comenta situação da Argentina: 'Dá pena'

+ Campanha ruim da Argentina deixa nação dividida antes de jogo decisivo

Segundo o jornal, o ambiente dentro da seleção é "desolador" e piorou após a vexatória derrota por 3 a 0 para a Croácia, quinta-feira passada. 

"Os mais bravos com Sampaoli são Lionel Messi, Sergio Agüero, Javier Mascherano e Lucas Biglia", diz o jornal. Eles foram conversar com o presidente da AFA e pedir a mudança do comando técnico para tentar salvar a equipe no Mundial. 

O problema, porém, é que para mandar Sampaoli embora, a federação teria que pagar a multa rescisória de US$ 16 milhões (R$ 61 milhões) ao treinador, algo que é inviável no momento. Assim, a tendência é que os jogadores passem a decidir quais mudanças devem ser feitas e irão ignorar as ordens do técnico.

"Os subordinados e o suposto líder apenas falam o suficiente entre si como que para aparentar para o público que a relação entre todos está normal. Mas a realidade é outra: o clima é péssimo", garante o jornal, um dos principais veículos da Argentina. 

Por fim, os jogadores que devem definir a escalação e possíveis alterações táticas para a partida contra a Nigéria. A AFA, Sampaoli e os jogadores ainda não se manifestaram sobre a matéria. 

A Argentina chega na última rodada da fase de grupos sem depender apenas de suas forças para se classificar. Entenda o que é preciso para a seleção sul-americana avançar

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.