Gustau Nacarino/ Reuters
Gustau Nacarino/ Reuters

Messi vale R$ 159 milhões a mais do que Cristiano Ronaldo

Pesquisa feita em universidade da Espanha considera hipotética transferência dos craques do Real Madrid e Barcelona

Andreza Galdeano, O Estado de S. Paulo

18 de abril de 2016 | 13h16

Lionel Messi e Cristiano Ronaldo travam mais uma batalha, dessa vez fora de campo. Os astros do futebol mundial foram alvos de um estudo feito pela Universidade Politécnica de Valência (UPV), na Espanha, que avaliou uma hipotética transferência dos jogadores para outras equipes. O craque argentino levou a melhor na disputa ao ter valor de marcado mais alto do que seu oponente, de acordo com o trabalho. Messi valeria € 40 milhões (R$ 159 milhões) a mais do que Cristiano Ronaldo: € 101 milhões (R$ 403 milhões).

Para chegar ao valor de mercado, a universidade usou multicritério AHP (processo de hierarquia inglês analítica), baseada nos números de gols, assistências e cartões, além de fatores como influência de mercado e liderança no vestiário e em campo. Ainda investigaram as variáveis desportivas, tanto nos campeonatos, como na Liga dos Campeões. Neste cenário, o camisa 10 do Barcelona fica à frente de Cristiano Ronaldo, com sobras.

Na última temporada, Lionel Messi também garantiu a atenção do mundo, superou o astro do Real Madrid e foi o detentor da Bola de Ouro da Fifa, pela quinta vez, mas o contexto atual está favorável a CR7, que lidera a equipe do Real Madrid com boas atuações, e já balançou as redes 47 vezes em 43 partidas. 

No último domingo, Messi alcançou o feito histórico de marcar o 500° gol de sua carreira, na partida entre Barcelona e Valencia, e entrou para o seleto time dos principais artilheiros do mundo. Porém, o time catalão vive fase complicada, devido à recente eliminação nas quartas de final da Liga dos Campeões e à terceira derrota consecutiva pelo Campeonato Espanhol. Com os resultados, a liderança está ameaçada, e o time de Cristiano Ronaldo pode avançar na tabela e tirar o topo do Barça. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.