Matteo Bazzi/EFE
Matteo Bazzi/EFE

Messi volta a ser eleito o melhor do mundo e se isola com seis conquistas

Argentino supera Cristiano Ronaldo e o holandês Virgil Van Dijk; Megan Rapinoe é a melhor jogadora

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2019 | 17h17

O argentino Lionel Messi foi eleito nesta segunda-feira pela sexta vez o melhor jogador do mundo. O atacante do Barcelona se tornou, isoladamente, o maior vencedor da história do prêmio no futebol masculino (Marta já conquistou o prêmio seis vezes no feminino). A entrega do prêmio Fifa The Best foi realizada em Milão, na Itália. 

"Sempre digo que o prêmio individual é secundário, o mais importante é o coletivo. Mas hoje é especial para mim, tive a oportunidade de estar ao lado da minha mulher e de dois dos meus três filhos. O Thiago já veio aqui mas era muito pequeno, hoje vê-los ali não tem preço. São dois apaixonados por futebol, e estão adorando ver tantos jogadores aqui, não sabem se pedem autógrafos, estão tímidos", afirmou o jogador argentino. 

Messi volta a ser escolhido o melhor do mundo após quatro anos, superando Cristiano Ronaldo e o holandês Virgil Van Dijk. No ano passado, o eleito foi o croata Luka Modric.

Para ser aclamado o melhor do mundo novamente, Messi foi artilheiro das duas principais competições que disputou. Na Liga dos Campeões, marcou 12 vezes, quatro mais que o segundo colocado (Robert Lewandowski). Já no Espanhol, anotou 36 vezes, marca que lhe rendeu a Chuteira de Ouro, dedicada ao goleador dos torneios nacionais. Sua média é de mais de um gol por jogo: em 50 partidas oficiais pelo Barcelona, ele anotou 51 gols.

 

Messi brilhou em um time não mostrou a força de conjunto de outras temporadas. Por isso, o camisa 10 foi goleador e criador de jogadas. Prova disso é que não foi só artilheiro, mas também o maior “garçom” do continente. Foram 22 assistências. Por esses números , ele foi o principal responsável por levar o time ao título nacional e às semifinais da Liga dos Campeões.

Considerado como um dos maiores jogadores de todos os tempos, Messi possuía cinco prêmios de melhor jogador do mundo, quatro dos quais ele ganhou consecutivamente e um recorde de seis Chuteiras de Ouro. O argentino de 32 anos passou toda a sua carreira profissional no Barcelona, onde conquistou 34 troféus, incluindo dez títulos da La Liga, quatro títulos da Liga dos Campeões e seis Copas do Rei. Craque e goleador, Messi detém, entre outras marcas, o recorde de mais gols em La Liga (419), mais gols em uma temporada por um Campeonato Europeu (50). Ele marcou 682 gols na carreira pelo clube e seleção argentina. 

 

Para especialistas e ex-atletas, sua qualidade técnica, jogadas inesperadas, velocidade, habilidade com a perna esquerda, trabalho de equipe e faro de gol fazem com que seja considerado um dos melhores futebolistas de todos os tempos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.