Matteo Bazzi/EFE
Matteo Bazzi/EFE

Messi volta a ser eleito o melhor do mundo e se isola com seis conquistas

Argentino supera Cristiano Ronaldo e o holandês Virgil Van Dijk; Megan Rapinoe é a melhor jogadora

Redação, O Estado de S.Paulo

23 de setembro de 2019 | 17h17

O argentino Lionel Messi foi eleito nesta segunda-feira pela sexta vez o melhor jogador do mundo. O atacante do Barcelona se tornou, isoladamente, o maior vencedor da história do prêmio no futebol masculino (Marta já conquistou o prêmio seis vezes no feminino). A entrega do prêmio Fifa The Best foi realizada em Milão, na Itália. 

"Sempre digo que o prêmio individual é secundário, o mais importante é o coletivo. Mas hoje é especial para mim, tive a oportunidade de estar ao lado da minha mulher e de dois dos meus três filhos. O Thiago já veio aqui mas era muito pequeno, hoje vê-los ali não tem preço. São dois apaixonados por futebol, e estão adorando ver tantos jogadores aqui, não sabem se pedem autógrafos, estão tímidos", afirmou o jogador argentino. 

Messi volta a ser escolhido o melhor do mundo após quatro anos, superando Cristiano Ronaldo e o holandês Virgil Van Dijk. No ano passado, o eleito foi o croata Luka Modric.

Para ser aclamado o melhor do mundo novamente, Messi foi artilheiro das duas principais competições que disputou. Na Liga dos Campeões, marcou 12 vezes, quatro mais que o segundo colocado (Robert Lewandowski). Já no Espanhol, anotou 36 vezes, marca que lhe rendeu a Chuteira de Ouro, dedicada ao goleador dos torneios nacionais. Sua média é de mais de um gol por jogo: em 50 partidas oficiais pelo Barcelona, ele anotou 51 gols.

 

Messi brilhou em um time não mostrou a força de conjunto de outras temporadas. Por isso, o camisa 10 foi goleador e criador de jogadas. Prova disso é que não foi só artilheiro, mas também o maior “garçom” do continente. Foram 22 assistências. Por esses números , ele foi o principal responsável por levar o time ao título nacional e às semifinais da Liga dos Campeões.

Considerado como um dos maiores jogadores de todos os tempos, Messi possuía cinco prêmios de melhor jogador do mundo, quatro dos quais ele ganhou consecutivamente e um recorde de seis Chuteiras de Ouro. O argentino de 32 anos passou toda a sua carreira profissional no Barcelona, onde conquistou 34 troféus, incluindo dez títulos da La Liga, quatro títulos da Liga dos Campeões e seis Copas do Rei. Craque e goleador, Messi detém, entre outras marcas, o recorde de mais gols em La Liga (419), mais gols em uma temporada por um Campeonato Europeu (50). Ele marcou 682 gols na carreira pelo clube e seleção argentina. 

 

Para especialistas e ex-atletas, sua qualidade técnica, jogadas inesperadas, velocidade, habilidade com a perna esquerda, trabalho de equipe e faro de gol fazem com que seja considerado um dos melhores futebolistas de todos os tempos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.