Wolfgang Rattay / Reuterss
Wolfgang Rattay / Reuterss

Metzelder admite ter difundido imagens de pornografia infantil e é condenado

Ex-zagueiro alemão pede desculpas às vítimas de abuso sexual; pena é de 10 meses de liberdade condicional

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de abril de 2021 | 18h34

Ex-zagueiro com passagens por clubes como Real Madrid, Borussia Dortmund e Schalke 04, além da seleção alemã, Christoph Metzelder confessou em uma audiência judicial ter ajudado a difundir imagens de pornografia infantil, mostrando graves abusos sexuais e estupros de crianças. Metzelder recebeu a sentença de dez meses de prisão com sursis, ou seja, sem necessidade de cumprimento da pena sob a condição de não haver reincidência criminal.

Metzelder é investigado desde 2019, tendo sido denunciado por sua ex-esposa. "Obtive imagens e capturas de tela de sites de acesso livre. Troquei fantasias extremas no chat. Nunca estive em fóruns ou na deepweb, mas minha culpa continua", afirmou o jogador no tribunal, segundo o jornal alemão Bild.

O ex-jogador teria chorado ao falar sobre o que fez. "Eu conheço o sofrimento indescritível por trás de cada uma dessas fotos. Aceito a punição e peço perdão em nome de todas as vítimas de violência sexual. Eu sei que estou deixando uma ferida que pode nunca cicatrizar", declarou. Ele também renunciou a prêmios públicos que recebeu, como a Ordem do Mérito do Estado da Renânia-Westfália.

"Ele sabe o que fez e que isso pode ser considerado um crime, ele enfrentará suas responsabilidades. Ele próprio se surpreende por ter esse tipo de vida dupla", acrescentou o advogado, embora tenha dito à TV alemã que "obviamente não é um pedófilo".

Metzelder chegou a ser vice-campeão da Copa do Mundo pela Alemanha em 2002. Após parar de jogar em 2014, atuou como comentarista esportivo na Sky Sport, da Alemanha, até o momento em que passou a ser investigado. Durante este período, ele criou uma fundação infantil que visava combater o abuso contra crianças.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.