José Méndez/EFE
José Méndez/EFE

México chega a Rostov preocupado com Coreia do Sul e com os gritos de sua torcida

Federação mexicana foi punida por conta de provocações homofóbicas de seus torcedores contra a Alemanha

Estadão Conteúdo

21 Junho 2018 | 18h46

A delegação do México desembarcou nesta quinta-feira em Rostov com uma preocupação a mais: os gritos da torcida, considerados homofóbicos, que podem render punição da Fifa à seleção. Além de pensar no jogo contra a Coreia do Sul, neste sábado, às 12 horas (e Brasília), pelo Grupo F da Copa do Mundo da Rússia, os dirigentes quebram a cabeça para evitar os cânticos no estádio.

+ Mexicanos 'esquecem' vitória sobre Alemanha e miram Coreia por 1º lugar no grupo

+ Jogadores do México saem em defesa de Osorio após vitória: 'Ele é um gênio'

Por conta do ocorrido na estreia, diante da Alemanha, o México foi multado em 10 mil francos suíços (R$ 38 mil). Os torcedores têm o hábito de insultar o goleiro rival no momento da cobrança do tiro de meta. A Federação Mexicana de Futebol tem feito campanha para acabar com a prática, tanto em amistosos internacionais quanto em torneios oficiais. Mas não tem surtido o efeito esperado.

"Embora tenha sido ouvido duas ou três vezes, acho que isso vai diminuindo na medida em que podemos nos tornar mais conscientes com todo mundo, com todos os mexicanos, especialmente aqueles que viajaram (para assistir à Copa na Rússia) e que vieram aproveitar", disse o secretário-geral da federação, Guillermo Cantú.

"Para o torcedor é uma festa. Então a gente vê nas ruas, com todo mundo, mas eu acho que na hora do jogo devemos continuar com essa consciência e erradicar, modificar, mudar... Seria bom para todos", completou o dirigente, ao chegar a Rostov.

 

Antes do jogo contra os alemães, alguns fãs tentaram se organizar para modificar o grito, mas não conseguiram convencer a todos. Agora correm o risco de a Fifa, além de multar a seleção, expulsá-los dos estádios durante as partidas.

"No final, é uma responsabilidade. Talvez não tenhamos conseguido comunicar da melhor forma ou tão rapidamente quanto gostaríamos para modificar os gritos", acrescentou Guillermo Cantú. "Conversei com a Fifa para ver se podemos fazer algo juntos. Uma das coisas que eles dizem, desde antes da Copa do Mundo, era sobre a possibilidade de punir as pessoas, inclusive com a remoção do passaporte, o que seria muito lamentável".

Milhares de mexicanos começaram a chegar a Rostov, cidade no sul da Rússia, e vários foram recepcionar a delegação na chegada, nesta quinta-feira.

Enquanto do lado de fora do campo a preocupação é com o comportamento dos torcedores, os mexicanos não têm o mesmo problema dentro dele. A equipe vem de vitória sobre a Alemanha, por 1 a 0, e agora miram o primeiro lugar no grupo para evitar possível confronto contra o Brasil nas oitavas de final. "Dadas as circunstâncias e a maneira pela qual fizemos o primeiro jogo, esta é uma partida que se torna a mais importante da Copa do Mundo", disse Guillermo Cantú.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.