Ricardo Duarte / Inter
Ricardo Duarte / Inter

Miguel Ángel Ramírez não se preocupa com pressão no Internacional: 'Não me afeta'

A equipe colorada perdeu o título do Campeonato Gaúcho para o rival Grêmio neste domingo

Redação, Estadão Conteúdo

23 de maio de 2021 | 21h09

Perder um título é duro, pior ainda quando o vencedor é seu maior rival. Os jogadores do Internacional perderam a estribeira no final do clássico Gre-Nal, no empate por 1 a 1 que deu ao Grêmio o tetracampeonato gaúcho. Dentro de campo houve muitas reclamações em cima da arbitragem e nos bastidores uma pressão para a queda do técnico Miguel Ángel Ramírez. O nome pedido pelas torcidas organizadas é de Lisca, do América-MG.

Com a ausência dos jogadores na entrevista coletiva, sobrou pra o próprio técnico tentar se defender das críticas. Ele garantiu não temer por sua demissão. "Não me preocupa nada. Não me afeta. Peguei o time com números espetaculares no Brasileiro (vice-campeão) e classificado na Libertadores. Mas ainda não tive tempo de trabalhar como estava planejado", afirmou.

Segundo ele, quando chegou ao clube tudo foi bem discutido com a direção. "Me reuni com minha comissão técnica, com o executivo de futebol e com a direção. Apresentamos vários nomes e o clube está trabalhando nisso. São peças que podem reforçar o nosso grupo".

Segundo Ramírez, a perda do título estadual deve servir como uma lição. "Minha maior motivação é responder para estas pessoas que estão tristes pela derrota", reforçou, na confiança de que vai seguir seu trabalho à frente do elenco colorado.

Indagado sobre a ausência do zagueiro Victor Cuesta, por lesão, sofrida na quinta-feira no jogo contra o Olímpia, pela Copa Libertadores, o técnico foi enfático. "Era o melhor a fazer. Ele sentiu uma lesão e não poderíamos correr o risco de perdê-lo indefinidamente".

Sobre o jogo, o técnico negou que o time tivesse perdido o controle emocional. "Não me pareceu. São reações que acontecem em campo devido a rivalidade. Senti o controle, o bom entendimento dentro de campo. A gente sabia que seria difícil ganhar, realmente complicado. Eles (Grêmio) tem uma boa equipe. Fomos superiores quando estávamos 11 contra 11", apontou, se referindo à expulsão de Yuri Alberto. que se desentendeu com Rafinha, do Grêmio. Ambos foram expulsos nos minutos finais do primeiro tempo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.