Célio Messias
Célio Messias

Miguel recebe elogios de Kleina e festeja primeiro gol no Palmeiras

Atacante aproveita muito bem a oportunidade que lhe foi dada

Agência Estado

10 de março de 2014 | 13h45

SÃO PAULO - A decisão do técnico Gilson Kleina de poupar alguns titulares do Palmeiras na partida contra o Paulista, no último domingo, abriu espaço para alguns jovens atuar em São José do Rio Preto. O atacante Miguel aproveitou muito bem a oportunidade que teve ao entrar após o intervalo e marcou o seu primeiro gol pelo clube na vitória por 3 a 1. E ele não escondeu a emoção ao comentar o gol.

"É uma felicidade muito grande, passa um filme na cabeça. Sempre fui palmeirense, ia com meu pai ao Parque Antarctica. Quando fiz o gol chorei mesmo porque minha família, pai, mãe, irmão e namorada, sempre me apoiou. Agradeço muito a Deus por tudo isso. O que estou vivendo hoje milhões de pessoas queriam viver. É gratificante e fico muito feliz. Estou realizando o meu sonho e o de muitas pessoas que gostam de mim", disse o camisa 39 do Palmeiras ao site oficial do clube.

A boa atuação de Miguel rendeu elogios do técnico Gilson Kleina, que destacou o ataque formado por três jogadores das categorias de base - Patrick Vieira, Vinicius e Miguel - que atuou durante boa parte do segundo tempo.

"A gente sempre deu valor (para a base). Conversamos com estes garotos e foi muita competência de o Vinicius ter buscado a bola, ter sido agudo hoje (sábado). O posicionamento do Miguel foi espetacular também porque é um jogador de área. A base não é só para alimentar ou em emergências, mas para ser referência e dar potência dentro da equipe. Hoje vejo o Patrick e o Vinicius com consistência. Enfim, estamos fazendo uma integração com a base, fazendo jogos-treino e conversando com os profissionais. Isso é importante", disse.

Miguel retribuiu os elogios de Kleina e agradeceu o apoio que vem recebendo do técnico desde que retornou ao clube no início deste ano, após passagem pelo Chungju Hummel, da Coreia do Sul.

"O Kleina, desde que cheguei da Coreia do Sul, sempre me tratou muito bem e isso me dá muita confiança. Eu vejo Kardec, Valdivia, entre outros, treinando e tento me espelhar nesses jogadores. Fico feliz de poder fazer parte de um elenco tão renomado", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.