Milan anuncia demissão de Inzaghi e deve acertar com Mihajlovic

A imensa crise do Milan, que parece não ter fim, ganhou mais um capítulo nesta quinta-feira, com a demissão do técnico Filippo Inzaghi. Em sua primeira temporada como técnico de um time principal, ele também não teve sucesso na tarefa de ressuscitar a equipe rubro-negra e acabou dispensado pelo presidente Silvio Berlusconi.

Estadão Conteúdo

04 de junho de 2015 | 12h17

Em nota oficial, o Milan informou "com grande desprazer" a saída de Inzaghi. O treinador, que se tornou ídolo do clube quando atuava como atacante, foi mais uma aposta da diretoria para o cargo, substituindo outro debutante na função, Clarence Seedorf, mas também fracassou e viu a equipe terminar o Campeonato Italiano somente na décima colocação, sem vaga nas competições europeias da próxima temporada.

Inzaghi foi só mais um a sofrer com a crise econômica do Milan, que, sem dinheiro, vê o elenco enfraquecer a cada ano e já há algumas temporadas não briga pelo título nacional. Mesmo assim, algumas decisões do treinador irritaram a diretoria e, por isso, sua demissão já era esperada.

E o Milan já está muito próximo de acertar com um substituto. O ex-técnico da Sampdoria, Sinisa Mihajlovic, se reuniu com Berlusconi na noite da última quarta, antes mesmo da saída oficial de Inzaghi, e os dois teriam acertado os termos do contrato. De acordo com a imprensa italiana, o anúncio do novo treinador deve acontecer até o fim da semana.

Mihajlovic acertou seu desligamento da Sampdoria há três dias, e na época os rumores davam conta de que ele fecharia com o Napoli, que perdeu Rafa Benítez para o Real Madrid. No entanto, o Milan atravessou a negociação e parece mais próximo de fechar com o ex-zagueiro, que, curiosamente, fez sucesso com a camisa da rival Inter de Milão entre 2004 e 2006, quando encerrou a carreira de jogador.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolMilanInzaghiMihajlovic

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.