Paulo Pinto/AE
Paulo Pinto/AE

Milan nega críticas de Kaká ao departamento médico

Vice-presidente Adriano Galliani não questionou a declaração do jogador, que se recupera de lesão no pé

Ansa,

31 de março de 2009 | 11h26

O vice-presidente do Milan, Adriano Galliani, disse nesta terça-feira que o meia Kaká não criticou o departamento médicos do clube italiano ao afirmar que vai ter "um posicionamento diferente" nas próximas contusões.

Veja também:

linkInter diz que lesão sofrida por Maicon na seleção é grave  

linkTécnico Dunga faz mistério e não diz se vai mexer na seleção

especialVisite o canal especial das Eliminatórias da Copa

tabela Eliminatórias da Copa - Classificação

lista Eliminatórias da Copa - Calendário / Resultados

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"Não é verdade", resumiu o dirigente, que frisou que o jogador brasileiro está na "sexta semana desde a lesão" e que sua recuperação neste momento é um fato normal.

 

Durante a entrevista coletiva nessa segunda-feira, em Porto Alegre, Kaká afirmou que "nas últimas cinco semanas não melhorou [no Milan] o que melhorou aqui [na seleção] em seis dias".

 

Kaká disse ainda que "é difícil avaliar se teve erro" dos médicos, mas ressaltou que "nas próximas contusões terá um posicionamento diferente", porque o futebol "exige muito do físico do atleta".

 

Para Galliani, as palavras do meia "não se tratam certamente de uma acusação contra os médicos" do Milan.

 

"É óbvio e evidente que cada um cuida da própria saúde como quer, tanto é assim que isso está previsto nos regulamentos internos" do clube italiano, revelou o dirigente.

 

Galliani ressaltou ainda que a relação do clube com Kaká é "ótima" e disse que conversa com o jogador "com regularidade".

 

Kaká vem sofrendo com uma contusão no pé esquerdo desde 7 de fevereiro, quando atuou no empate por 1 a 1 do Milan contra a Reggina, pelo Campeonato Italiano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.