Milan reclama de 'caça a Kaká' e poupa craque no Italiano

Clube cobra mais rigor de árbitros para coibir violência dos adversários contra o meia brasileiro

26 de fevereiro de 2008 | 21h07

O Milan comprou a briga de Kaká contra os árbitros que não coíbem o jogo violento. Em comunicado divulgado em seu site oficial, o clube reclamou da "campanha de caça a Kaká" e cobrou mais rigor dos árbitros para coibir a violência em campo. No comunicado, o Milan argumenta que os adversários se revezam para bater em Kaká. E reclama que tentam intimidá-lo com pancadas em seu joelho esquerdo, que vem lhe causando desconforto não é de hoje. Veja também: Juventus e Torino empatam clássico no Campeonato Italiano O clube diz que a "caça a Kaká" só ocorre no Campeonato Italiano. Compara o número de faltas que ele sofre na competição com o que recebe na Liga dos Campeões, e diz que no torneio europeu as faltas sobre o craque estão dentro da média normal. O Milan lembra ainda que o atacante Van Basten, hoje técnico da seleção holandesa, disputou sua última partida oficial quando tinha 28 anos e que teve de encerrar a carreira por causa das contusões. "Como Kaká isso não pode e não deve acontecer", diz o texto. Kaká não jogará nesta quarta-feira contra o Catania, fora de casa, e também deve ficar fora do jogo de sábado contra a Lazio, para poder chegar bem ao compromisso de terça-feira contra o Arsenal, jogo de volta das oitavas-de-final da Copa dos Campeões - em Londres foi 0 a 0, e,segundo o Milan, a "lealdade e a cultura esportiva" não permitiram violência contra o melhor jogador do mundo. O destaque da 25.ª rodada será o clássico entre Inter e Roma. O time de Milão lidera o Italiano com nove pontos de vantagem sobre os da capital (60 a 51). "É o jogo da verdade. Se ganharmos, reduziremos a diferença e brigaremos pelo título até o fim", disse o técnico Luciano Spaletti, que não poderá contar com Cicinho, expulso minutos depois de marcar o gol da vitória contra a Fiorentina, no último domingo. Na Inter, o desfalque será o atacante sueco Ibrahimovic, que vem reclamando de dores no joelho direito. "Tenho jogado no sacrifício. O joelho está doendo desde dezembro, mas não queria falar nada." Nesta terça, na abertura da rodada, Juventus e Torino empataram sem gols no dérbi de Turim. O checo Nedved, da Juventus, foi expulso aos 45 minutos do segundo tempo. O resultado foi ruim para as duas equipes: com 48 pontos, a Juventus pode entrar na mira de Milan e Fiorentina, que dividem o quarto lugar, com 41; e o Torino parou no 12.º lugar, com 27 pontos, apenas cinco acima do Parma, que encabeça a zona de rebaixamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.