Milene é confirmada na seleção feminina

A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) oficializou hoje a permanência da mulher do craque Ronaldo, Milene, na delegação que vai disputar o Mundial nos Estados Unidos, entre os dias 24 de setembro e 11 de outubro, e optou por cortar a lateral Tatiana. O curioso foi o motivo alegado pela entidade para dispensar a jogadora e ficar com, além da "rainha das embaixadinhas", a meio-de-campo Michele: excesso de peso. Pesou a favor de Milene, também fora de forma, a vantagem de despertar a atenção da mídia e do público. A meio-de-campo do Rayo Vallecano, da Espanha, em seus primeiros dias treinando na semana passada na Granja Comary, em Teresópolis, conseguiu atrair tanto interesse quanto a seleção brasileira masculina, que se exercitava ao mesmo tempo. "A Tatiana é uma boa jogadora mas está um pouco gordinha. Ela pega peso fácil", explicou o diretor do Departamento de Categorias especiais, Luiz Miguel Estevão de Oliveira, o responsável por indicar o nome das duas atletas que completaram o elenco de 20 jogadoras. Na terça-feira, o técnico da seleção, Paulo Gonçalves, já havia anunciado o nome das 18 atletas escolhidas por ele. "Mas, vamos convocá-la novamente. É nova, tem 18 anos, e será aproveitada na seleção sub-19."Com as permanências de Milene e Michele, a seleção viajará para os Estados Unidos com as goleiras Andréia e Giselle; as laterais Jatobá e Rosana; as zagueiras Mônica, Tânia, Renata Diniz e Juliana; as meias Priscila Oliveira, Renata Costa e Rafaela; e as atacantes Cristiane, Formiga, Maycon, Daniela, Kátia Cilene, Kelly e Marta. Antes de embarcarem na terça-feira para o Mundial, as jogadoras ainda realizarão um amistoso, no domingo, contra a equipe juvenil masculina do Teresópolis, na Granja Comary. Formiga e Kátia Cilene são as principais destaques do elenco, que não vai poder contar com Pretinha, contundida no joelho esquerdo, e a artilheira Sissi, não convocada por causa da idade avançada, 36 anos, e questões disciplinares. Seleção permanente - O diretor do Departamento de Categorias especiais, apesar da descrença no desenvolvimento da modalidade no País, por falta de clubes que mantenham as jogadoras em atividade, informou que tentará ganhar o direito de ser a sede tanto do Campeonato Sul-Americano, previsto para o início de 2004, quanto do Torneio Pré-Olímpico, em março de 2004. Além disso, seu objetivo é o de manter a seleção feminina permanentemente reunida. "Vamos tentar trazer as competições para vermos se despertamos o interesse dos patrocinadores. Agora, de nada adianta fazer eventos se não temos clubes. Restaram um ou dois", contou o dirigente, lembrando da qualidade das atletas brasileiras. "Lá na Argentina tem campeonatos regulares, elas se prepararam por quatro anos para a disputa do Pan-Americano (de São Domingos, terminaram em 4º lugar) e mesmo assim, com nossas dificuldades, conseguimos superá-las (o Brasi foi medalha de ouro)." E foi justamente o argumento da desorganização e superioridade do futebol feminino brasileiro que Oliveira apresentou ao presidente da CBF, Ricardo Teixeira, para reforçar o pedido de a seleção continuar treinando permanentemente na Granja Comary, após a disputa do Mundial dos Estados Unidos. O técnico da equipe ficou entusiasmado com a idéia, principalmente, porque manteria o grupo unido e atuando.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.