Daniel Teixeira / Estadão
Daniel Teixeira / Estadão

Mina avisa ao Palmeiras que quer se transferir para o Barcelona

Zagueiro crê que o momento é apropriado para ir ao clube espanhol

Estadão Conteúdo

05 Janeiro 2018 | 13h50

O zagueiro colombiano Yerry Mina deve deixar o Palmeiras nos próximos dias. O defensor se reapresentou ao clube nesta sexta-feira, após o fim das férias, e em conversa com o diretor de futebol Alexandre Mattos, sinalizou o interesse de antecipar a ida ao Barcelona. Há um pré-acordo para essa transferência se concretizar em julho, porém o procedimento pode ser realizado já em janeiro.

+ Palmeiras e Lucas Lima alinham discurso para apagar passado polêmico

+ Weverton e Emerson Santos são apresentados e acirram briga na defesa do Palmeiras

O clube catalão quer efetuar a compra neste mês e procurou o Palmeiras para negociar a contratação. "Falei muito com o Mina. Ele tem um sonho forte de ir para a Europa e acha que é o momento de sair. O Palmeiras já tem um valor na cabeça. Já passamos a bola para lá. Se o Barcelona chegar (ao valor), o Mina vai. Se não, treina normalmente até o meio do ano. Mina e Barcelona já sabem disto", disse o diretor de futebol do Palmeiras.

Em 2016, quando o Palmeiras trouxe Mina do Santa Fé, costurou com o Barcelona um acordo para saída do jogador rumo ao clube catalão para depois da Copa do Mundo. O valor fixado foi de R$ 35 milhões (9 milhões de euros). No entanto, o Barcelona quer abrir uma nova negociação, desta vez para ter o jogador já em janeiro. Será preciso pagar um valor acima de 9 milhões de euros para a saída do colombiano se concretizar.

"O Barcelona nos procurou, disse que precisa do Mina agora. O Palmeiras disse que não tem interesse, mas eles ofertaram 1 milhão de euros a mais, foram aumentando a proposta", disse Mattos, sem revelar valores. Internamente o Palmeiras considera provável perder Mina já neste início do ano e a diretoria, inclusive, começou a pensar em possíveis nomes para substituto.

O Palmeiras tem 80% dos direitos econômicos do colombiano. Os outros 20% pertencem ao Santa Fé. Como o então presidente do clube alviverde, Paulo Nobre, investiu dos próprios recursos cerca de R$ 12 milhões para trazer o defensor em 2016, o ex-dirigente teria de ser reembolsado agora, caso o Barcelona conclua a negociação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.