Minas vê duelo de ex-técnicos da seleção

Um duelo entre dois ex-técnicos da seleção brasileira marca o primeiro clássico do Campeonato Mineiro deste ano. O Cruzeiro, de Vanderlei Luxemburgo, encara neste sábado, às 16h, no Mineirão, o líder América-MG, que está sob o comando de Carlos Alberto Silva.O Cruzeiro, que iniciou mal a competição, sofrendo duas derrotas consecutivas, recuperou-se no último domingo, ao vencer o Guarani, em Divinópolis, por 5 a 2. Além disso, no meio da semana, o atual campeão brasileiro estreou na Libertadores derrotando o Caracas, da Venezuela, por 3 a 1, no Mineirão. "Nós estamos evoluindo", comemorou Luxemburgo.Já Carlos Alberto Silva - que assumiu o clube no início da semana, após a saída de Gaúcho -, fará a sua estréia como técnico do América. O experiente treinador aproveitou os primeiros dias de trabalho para motivar seus jovens jogadores. Ele pediu que os atletas não se intimidem diante das estrelas cruzeirenses. "Se temos de respeitar o Cruzeiro porque é o atual campeão brasileiro e venceu tudo no ano passado, eles terão de nos respeitar porque somos líderes do campeonato", destacou.O América está invicto na ponta da tabela, com 10 pontos ganhos em quatro jogos. A principal estrela do time é o atacante Fred, artilheiro do Mineiro com quatro gols.Carlos Alberto Silva não poderá contar com o lateral-direito Osmar, que sentiu dores na coxa esquerda e foi vetado para a partida. No seu lugar deverá entrar Marcelo.Com uma partida a menos, o Cruzeiro ocupa apenas a 10ª colocação, com três pontos. "Se não ganhar amanhã, a situação no campeonato para o Cruzeiro fica complicada?, admitiu o atacante Guilherme.Torcida - Luxemburgo faz mistério e não anunciou o time que começa jogando, mas deverá repetir a formação que iniciou a partida contra o Caracas, com Felipe Melo no meio-campo. O volante foi o pivô de um bate-boca público entre o treinador e parte da torcida cruzeirense, que prefere ver Augusto Recife no time."Torcida não escala meu time", defendeu-se Luxemburgo. "Naturalmente nós não vamos escalar o time do Cruzeiro, da mesma forma que ele não vai dizer o que a gente deve gritar ou não na arquibancada. Nós respeitamos o trabalho do Luxemburgo, mas ele também tem de respeitar a opinião do torcedor", respondeu Maurício "Bolão", presidente da Máfia Azul, a maior organizada do clube mineiro.Nesta sexta-feira, Luxemburgo disse que não estava em "briga com a torcida", mas reiterou as críticas. "Da mesma forma que eles podem falar eu também posso falar. Como eles podem protestar na arquibancada eu também posso protestar. Não tiro uma vírgula daquilo que eu falei."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.