Mineirão terá forte segurança em seu 1º clássico com torcida dividida após 4 anos

Dos 60 mil bilhetes colocados à disposição dos torcedores, mais de 32 mil já foram adquiridos

Gonçalo Junior, O Estado de S.Paulo

01 Fevereiro 2017 | 08h30

Enquanto o estado de São Paulo adota a torcida única nos clássicos, Minas Gerais vai no caminho oposto. O jogo entre Cruzeiro e Atlético Mineiro, nesta quarta-feira, às 19h30, no Mineirão, pela Copa da Primeira Liga, terá público e renda divididos meio a meio entre os dois rivais. É o primeiro dérbi com torcida dividida desde 2013. Dos 60 mil bilhetes colocados à disposição dos torcedores, mais de 32 mil já foram adquiridos, praticamente na mesma proporção entre atleticanos e cruzeirenses. O Mineirão estará lotado.

A organização do clássico, obviamente, exige grandes mudanças em relação aos jogos normais. Serão 500 seguranças, por exemplo, praticamente o dobro do efetivo que estará no mesmo estádio no próximo domingo, na partida entre Cruzeiro e Tricordiano. "As principais mudanças se referem ao controle do público, já que o estádio estará lotado, mas as equipes estão preparadas", afirma Otavio Goes, gerente técnico do Mineirão.

O acordo para torcida dividida foi selado entre o presidente do Cruzeiro, Gilvan de Pinho Tavares, e o do Atlético-MG, Daniel Nepomuceno. Na edição passada da Primeira Liga, o Cruzeiro teve direito a um mando de campo e o Atlético, por sua vez, atuou por duas vezes como mandante. Neste ano, a situação foi invertida. Além do jogo desta quarta-feira, o Cruzeiro será o dono da casa contra a Chapecoense. O Atlético será mandante apenas diante do Joinville. "Nos jogos com torcida dividida, temos o envolvimento das duas torcidas. As duas se sentem como mandantes. É uma grande festa do futebol", afirma Goes.

O Mineirão foi planejado para receber 50% de torcedores cruzeirenses e atleticanos. São dois acessos em posições opostas (norte e sul) com seis portões de arquibancada, três para cada clube. A divisão era uma tradição desde a inauguração (1965) até 2010, quando a arena foi fechada para as obras da Copa do Mundo de 2014. Após a reabertura, em 2013, os clássicos seguintes foram disputados com 10% dos ingressos destinados para o Atlético-MG (clube visitante). Em alguns clássicos no Independência, o Cruzeiro abriu mão de sua parte dos bilhetes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.