Ministério Público denuncia travesti envolvido com Ronaldo

André Albertini é acusado de crime de extorsão e pode pegar de quatro a dez anos de prisão

Redação,

20 de maio de 2008 | 17h57

O Ministério Público do Estado do Rio ofereceu denúncia contra o travesti Andréia Albertini por tentativa de extorsão e pediu à Justiça que convoque Ronaldo e os demais envolvidos no incidente entre o jogador do Milan e três travestis, ocorrido em 28 de abril, num motel da Barra da Tijuca. De acordo com o promotor Alexandre Murilo Graça, Andréia Albertini exigiu R$ 50 mil de Ronaldo para que o "programa" do craque no motel não chegasse ao conhecimento público. No texto em que se baseia para denunciar Albertini, o promotor relata, a partir de conclusão de inquérito policial, o que ocorreu na manhã do dia 28 com o ex-atacante da seleção. "Policiais militares foram acionados a comparecer ao local (Motel Papillon)para apartar uma "briga de casal". Entretanto, chegando ao motel, perceberam que se tratava de um travesti, o qual se dizia lesado por seu cliente (Ronaldo), que não queria efetuar o pagamento do programa." No documento enviado à Justiça, Murilo Graça conta que Ronaldo ingeriu bebidas alcoólicas numa boate da Barra antes de seguir para a Praça do Ó, "lugar conhecido como ponto de prostituição de travestis". "O denunciado, travesti que se prostitui naquela localidade, foi abordado pela vítima por volta das 5 horas e se apresentou como Andréia, tendo sido contratado para um programa", prossegue o promotor, que menciona os outros dois travestis (Carla e Veida) envolvidos na trama, e diz textualmente que "após três horas no interior do quarto, a vítima (Ronaldo Fenômeno) percebeu que não estava com mulheres, mas sim, travestis, o que a fez desistir do programa." A Justiça do Rio vai decidir agora se aceita a denúncia. Se for indiciado, Albertini pode ser condenado de quatro a dez anos de prisão. O Estado tentou ouvir o advogado dos três travestis envolvidos no escândalo, Eduardo Swiech, mas ele não foi encontrado. FRANÇARonaldo viajou no domingo para Paris, em companhia de Maria Beatriz Antony, com quem reatou o namoro, e foi analisado nesta terça-feira pelos médicos que operaram seu joelho esquerdo em fevereiro. Da capital francesa, Ronaldo seguirá para Madri, onde passará alguns dias com o filho Ronald. O atacante do Milan só deve retornar ao Brasil na próxima semana, a fim de dar continuidade ao tratamento para se recuperar da lesão no joelho.

Tudo o que sabemos sobre:
Ronaldo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.