Ministério Público pode vetar Santos x Corinthians na Vila

A novela "clássicos na Vila Belmiro" pode ganhar um novo capítulo nesta sexta-feira, e o jogo entre Santos e Corinthians, marcado para o estádio santista no próximo dia 28, pode mudar de lugar se o Ministério Público não se convencer de que o local oferece segurança para esse tipo de jogo.Esse será o tema de uma reunião marcada para as 11 horas na Vila, entre o promotor Paulo Castilho, representando o Ministério Público de São Paulo, o comando da Polícia Militar na Baixada Santista e os presidentes da Federação Paulista de Futebol, Marco Polo Del Neto, e do Santos, Marcelo Teixeira."Queremos ter a certeza de que há condições para a realização de um clássico tranqüilo entre Santos e Corinthians, na Vila Belmiro", disse Castilho, que assistiu às cenas de vandalismo de domingo passado, durante o clássico do último domingo, contra o São Paulo.Uma das exigências que a Polícia Militar vai fazer aos dirigentes do Santos na reunião desta sexta-feira é que sejam retirados todos os vasos sanitários do estádio, para que evitar que eles sejam utilizados como armas, como ocorreu no clássico com o São Paulo (empate por 1 a 1), no último fim de semana.Numa demonstração de boa vontade, os dirigentes santistas se comprometeram a alugar 30 aparelhos de radiocomunicação para emprestá-los à Policia Militar nos próximos jogos considerados de risco na Vila Belmiro. No domingo passado, os policiais que trabalharam no estádio tiveram dificuldades de comunicação porque não tinham como substituir seus aparelhos ou recarregar as baterias.Decisão no RioTorcedores residentes no Rio de Janeiro mandaram e-mails para a diretoria sugerindo que eventuais clássicos do Santos na fase final do Campeonato Paulista fossem realizados no Maracanã. "Foram dezenas de e-mails", disse o assessor de imprensa Aldo Neto.Até um torcedor que mora em Nova York sugere que um dos jogos seja no Maracanã para o Santos reviver os títulos mundiais de 1962 e 1963, ambos conquistados com jogos no Rio de Janeiro. Ao tomar conhecimento da sugestão o presidente Marcelo Teixeira não descartou a possibilidade. "É uma idéia, se o Santos não puder mandar o seu jogo na Vila."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.