Christophe Archambault/Reuters
Christophe Archambault/Reuters

Ministra do Esporte diz que Francês foi encerrado para 'não pôr atletas em risco'

Após decisão polêmica, governo vem sendo criticado pois outras ligas grandes da Europa continuaram seus torneios nacionais

Redação, Estadão Conteúdo

30 de maio de 2020 | 12h27

A ministra do Esporte da França, Roxana Maracineanu, explicou a decisão de encerrar precocemente o Campeonato Francês, que teve o Paris Saint-Germain declarado campeão. Ela afirmou que o governo proibiu eventos esportivos no país para não colocar os atletas em risco.

"Repito o que já disse: tomamos essa decisão para não colocar os atletas em risco. Decidimos considerá-los cidadãos, como os demais", disse Maracineanu em entrevista ao jornal francês "L’Alsace".

Para justificar a decisão do governo, Maracineanu ainda citou outros torneios que foram finalizados. "Escócia, Holanda e Bélgica também suspenderam permanentemente seus campeonatos por motivos de saúde", disse a ex-nadadora de origem romena.

Após o cancelamento do torneio nacional, o governo francês vem sofrendo críticas de vários lados, especialmente depois que as outras quatro principais ligas de futebol da Europa decidiram retomar suas partidas. O Campeonato Alemão já foi reiniciado desde o dia 16 de maio, e as ligas inglesa, italiana e espanhola voltarão em junho.

Maracineanu afirmou que a ideia é que os jogos retornem na França na próxima temporada com a presença dos torcedores nos estádios, ao contrário do que vem ocorrendo na maioria dos outros países europeus.

"Meu objetivo é justamente que o esporte seja retomado em boas condições, com o público nos estádios, em particular no campeonato de futebol (temporada 2020/2021) no mês de agosto", salientou. "Que os dois clubes envolvidos na Liga dos Campeões (Paris Saint-Germain e Lyon) possam fazer amistosos antes de terminar a temporada europeia. E então, preparar a nova jornada de acordo com as informações que o Ministério da Saúde nos dará", completou Maracineanu.

Maracineanu também ironizou as críticas recorrentes do presidente do Lyon, Jean-Michel Aulas, que disse recentemente que o término do torneio foi uma ideia "estúpida". O Lyon e outros clubes entraram na Justiça para tentar reverter a decisão.

Os cinemas reabrirão em breve. Se ele tiver outros roteiros, vou lhe dar uma ideia. Ele pode fazer um filme. O filme dele certamente terá uma audiência", ironizou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.