Ministro acaba com as pretensões dos clubes

O ministro dos Esportes, Agnelo Queiroz, praticamente sepultou a pretensão dos clubes de futebol de ficarem com parte dos recursos da Lei Piva, elaborada para o desenvolvimento dos esportes olímpicos. Neste domingo, durante a disputa da Copa do Mundo de Natação, no Rio, ele ressaltou que "ninguém vai mexer" no texto da lei, que destina 2% da arrecadação anual bruta das Loterias para o Comitê Olímpico Brasileiro e para o Comitê Paraolímpico."Essa discussão foi boa porque os dirigentes se esforçaram para buscar uma solução, apesar de estarem meio perdidos. Se eu tirar 1% dos esportes olímpicos, o que daria cerca de R$ 30 milhões, é evidente que nada ajudaria aos clubes de futebol", afirmou Agnelo Queiroz. "Ou estão pensando que o dinheiro iria somente para os grandes clubes do Brasil? E os outros tantos espalhados pelo nosso País? Como ficariam?" De acordo com o ministro, os clubes de futebol deveriam profissionalizar seus esportes olímpicos e buscar na iniciativa privada a saída para o desenvolvimento dessas modalidades. Mas, Agnelo Queiroz lembrou que para as agremiações conseguirem sucesso é preciso, antes, resolver alguns problemas internos. "Os dirigentes precisam fazer o dever de casa e arrumar seus departamentos de futebol com o objetivo de fortalecerem suas marcas. Porque ninguém vai por dinheiro em clubes, com uma administração dessas. Os recursos têm que ser bem investidos, porque não adianta ficar colocando dinheiro em saco furado." Para acalmar os ânimos dos dirigentes e tentar salvar dos caos financeiros os clubes de futebol no País, Agnelo Queiroz contou que já está tudo certo para o lançamento de uma nova modalidade de jogo lotérico: o "Time Mania". O torcedor fará sua aposta escolhendo oito clubes, em um universo de 80, e o dinheiro seria repassado.A intenção do ministro é de anunciar oficialmente a criação do novo jogo no Dia Internacional da Mulher, em 8 de março, porque parte do dinheiro destinado aos clubes deverá ser investido na formação de times de futebol femininos, com a criação, inclusive, de um Campeonato Brasileiro. Um outro porcentual do montante será reservado ao pagamento de dívidas das agremiações com a União."Os clubes queriam receber R$ 30 milhões da Lei Piva e vou dar para eles uma loteria que deverá arrecadar cerca de R$ 100 milhões. São três vezes mais", comparou o ministro. Agnelo Queiroz ainda falou que, com a criação da Lei de Incentivos Fiscais - seu texto será finalizado em março -, os clubes de futebol poderão aumentar ainda mais seus rendimentos.Quanto aos clubes que não possuem futebol e são voltados exclusivamente para os esportes olímpicos, o ministro revelou que será criado na próxima semana uma comissão para discutir o problema. Disse já ter recebido algumas sugestões dessas agremiações e que todas serão analisadas.O presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, comemorou a decisão do ministro. Aproveitou para convidar os clubes de futebol para celebrarem uma aliança em prol do esporte do País. "Devemos formular propostas sem tirar nada de ninguém", disse o dirigente. "Vamos seguir o exemplo da Cultura. Eles brigam pelo espaço deles, mesmo tendo divergências internas."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.