Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Ministro da Justiça garante segurança nas semifinais

Manifestações geraram clima de instabilidade no País; protesto em Belo Horizonte está marcado para quarta

RAFAEL MORAES MOURA E TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

25 de junho de 2013 | 16h45

BRASÍLIA - O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse nesta terça-feira que o governo federal tem um "plano assegurado" para manter a segurança nas cidades que sediam jogos da Copa das Confederações, apesar da programação de manifestações se estenderem ao longo da semana.

"Temos um plano assegurado que está sendo utilizado durante todo esse processo. Tudo isso já foi pensado previamente e não há por que alterar a rota que está sendo seguida", afirmou o ministro, ao ser questionado se seria montado um esquema especial de segurança nessas cidades por causa das manifestações.

De acordo com Cardozo, há grupos que estão se infiltrando nas manifestações para fazer depredações, o que é considerado inaceitável. "Tanto a polícia estadual como os órgãos policiais presentes nos grandes eventos têm de garantir, inclusive, a tranquilidade de manifestantes, mas jamais permitir violência contra pessoas", disse o ministro.

Nesta quarta-feira, às 16 horas, o Brasil enfrenta o Uruguai em Belo Horizonte. Na quinta-feira, Espanha e Itália disputam a outra vaga da final em Fortaleza. Na capital mineira, as autoridades já reforçaram o policiamento nesta terça na Avenida Antônio Carlos, principal via entre o centro da cidade e o Mineirão.

A polícia espera uma manifestação com pelo menos 100 mil pessoas nesta quarta. O protesto está marcado para começar ao meio-dia na Praça Sete de Setembro e seguir em marcha de quase 10 km até o Mineirão, onde a seleção brasileira buscará a vaga na decisão do torneio.

A manifestação deve ser maior do que a de sábado, quando houve confronto com a polícia antes da partida entre Japão e México. Manifestantes tentaram furar o cerco montado nos arredores do estádio, mas foram repelidos pelos policiais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.