Ministro descarta dinheiro público para estádios da Copa-2014

O Brasil não vai gastar "nenhumcentavo" de dinheiro público na construção ou reforma deestádios para as partidas da Copa do Mundo de 2014, garantiunesta terça-feira o ministro dos Esportes, Orlando Silva. O ministro disse ainda que gostaria que as delegações etorcedores de todo o mundo viajassem o máximo possível peloBrasil, apesar dos problemas recentes com o transporte aéreo. "Os estádios para a Copa do Mundo serão construídos comdinheiro privado", afirmou Orlando Silva durante o Footecon,fórum internacional de futebol realizado no Rio de Janeiro. "Não haverá um centavo de dinheiro público para osestádios", acrescentou. A decisão do governo de não investir em arenas para oMundial contraria os acontecimentos dos Jogos Pan-Americanos doRio, em julho, quando grande parte do investimento saiu doscofres públicos. Após visita de inspeção ao país este ano, uma delegação daFifa constatou que nenhum estádio do país tem atualmentecondições de receber partidas do Mundial. Das 18 cidadesinteressadas em ser sub-sedes da Copa, 14 prometeram reformarseus estádios, e quatro construiriam arenas totalmente novas. A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) apresentou umaestimativa de gastos de 1,1 bilhão de dólares para os estádiosda Copa. Os problemas foram ressaltados há 10 dias, quando setepessoas morreram após caírem da arquibancada superior da FonteNova, em Salvador, durante partida do Bahia pela 3a divisão. De acordo com o ministro, entretanto, haverá investimentodo governo em obras relacionadas com a Copa do Mundo, inclusiveatravés do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). "A Copa do Mundo é uma oportunidade de modernizar ainfra-estrutura do Brasil. Esperamos que haja melhorias emtodas as cidades-sede e um legado importante." O ministro disse que pretende seguir os modelos adotadosnas três últimas Copas do Mundo, em que os times viajaram pelospaíses, em vez de permanecerem fixos em uma base. "Acho que com algumas melhorias em nosso sistema detransporte aéreo nós poderemos facilmente receber todos osvisitantes", disse Silva. "Acho que é importante que eles vejam o máximo possível dopaís." Ele acrescentou: "Será a melhor Copa do Mundo de todos ostempos. A Copa do Mundo muda a percepção que o resto do mundotem do país anfitrião." "Nosso pensamento é que haverá uma percepção fantástica doBrasil no resto do mundo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.