Ministro diz que corte no orçamento não afeta a Copa

O ministro dos Esportes, Orlando Silva, disse nesta terça-feira que recebeu da presidente Dilma Rousseff a garantia de que o contingenciamento de R$ 50 bilhões anunciado pelo governo federal não deverá ter "nenhum impacto" na preparação da Copa do Mundo de 2014. "Boa parte dos recursos já estão contratados, sejam financiamentos do BNDES, sejam financiamentos junto à Caixa Econômica Federal e mesmo recursos que estão reservados para os temas Copa e aeroportos. Por isso que o contingenciamento, que é importante para manter a estabilidade econômica do País, não deve ter nenhum impacto na preparação do Mundial da Fifa", observou o ministro, em Belo Horizonte, após uma vistoria nas obras do estádio Mineirão. "No começo de janeiro a presidenta Dilma me chamou para uma reunião e fez o seguinte comunicado: ''a Copa de 2014 é uma prioridade absoluta do meu governo, é um compromisso do País''".

EDUARDO KATTAH, Agência Estado

15 de fevereiro de 2011 | 18h10

Orlando Silva também vistoriou o andamento de obras de mobilidade urbana na capital mineira. Segundo ele, quatro cidades brasileiras estão na disputa pela abertura do Mundial: São Paulo, Belo Horizonte, Brasília e Salvador. "Cada uma delas tem vantagens relativas, então a Fifa vai ter uma decisão que não vai ser simples, que vai ser muito difícil, mas o importante é que cada cidade faça o seu dever de casa", afirmou.

Rodeado por autoridades do Estado e com a agenda cheia, o ministro elogiou o conjunto de obras na capital mineira, mas elegeu a ampliação do Aeroporto Internacional de Confins como o maior desafio. O governo do Estado defende a construção de um segundo terminal. O assunto foi tratado nesta terça entre o ministro e o governador Antonio Anastasia (PSDB). "Sou uma voz junto com Minas Gerais defendendo a necessidade de um segundo terminal em Confins", afirmou. "Creio que a presidenta Dilma Roussef vai ter uma sensibilidade muito grande com relação a essa demanda".

Em relação a Salvador e Brasília, Orlando Silva apontou como problema a necessidade de muitos investimentos em transporte urbano. "São Paulo tem um desafio importante que é o estádio. Houve uma redefinição do endereço da Copa do Mundo e a cidade está agindo, trabalhando muito junto com o Corinthians para resolver o assunto", salientou.

RONALDO - O ministro também lamentou e disse que ficou "sensibilizado" com o anúncio do atacante Ronaldo, que se despediu oficialmente dos gramados. "Ele é brasileiro e quem conhece o Ronaldo sabe que ele estava jogando pelo amor que ele tem pelo futebol. Ronaldo é um apaixonado pelo futebol. É um capítulo final de uma história muito bonita".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa de 2014Orlando Silva

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.