Ministro francês vai ao Stade de France e agradece ação da equipe de segurança

O ministro do Esporte da França, Patrick Kanner, elogiou nesta terça-feira a equipe de segurança do Stade de France por manter a calma após os ataques terroristas que atingiram também o principal estádio do país na sexta-feira passada. Mais de 79 mil pessoas estavam no palco da final da Copa do Mundo de 1998 para assistir ao amistoso França x Alemanha quando três terroristas detonaram bombas suicidas fora do estádio, matando mais uma pessoa e deixando dezenas de feridos.

Estadão Conteúdo

17 de novembro de 2015 | 13h37

Kanner, que estava presente à partida, disse que a decisão de manter os torcedores dentro do estádio e manter a partida acontecendo depois das explosões foi decisiva porque "senão haveria acontecido um pânico como de Heysel", em referência à tragédia que matou 39 pessoas pisoteadas e asfixiadas no Estádio de Heysel, em Bruxelas, durante a final da Copa da Europa de 1985 entre Liverpool e Juventus.

"Os trágicos acontecimentos (no Stade de France) tiveram um impacto limitado, salvando vidas, pelo grande profissionalismo e a calma do pessoal do estádio", elogiou Kanner, que visitou o estádio nesta terça-feira acompanhado da ministra da Justiça, Christiane Taubira.

Até agora não se sabe por que os terroristas detonaram as bombas foram do estádio, depois da partida ter sido iniciada, enquanto os torcedores estavam nas arquibancadas. De acordo com uma fonte ouvida pela agência de notícias The Associated Press sob a condição de anonimato, pelo menos um dos terroristas tentou entrar, apesar de não ter ingresso, mas não foi barrado

"De qualquer maneira, quando alguém chega a um estádio com bombas para detonar, é com o propósito de matar. Queremos agradecer a todos que salvaram 80 mil pessoas, às vezes arriscando a própria vida", disse o membro do governo francês.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolterrorismoParis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.