Ministro não teme represália da Fifa

O ministro do Esporte e Turismo, Carlos Melles, afirmou nesta segunda-feira que não teme nenhuma represália da Fifa ao futebol brasileiro caso seja editada uma Medida Provisória pelo governo que leve à renúncia do presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Ricardo Teixeira. Ele explicou que a MP terá como objetivo aperfeiçoar as diretrizes do futebol, tornando-o mais transparente. A hipótese de intervenção da Fifa, desfiliando a CBF de seus quadros e excluindo a Seleção Brasileira da Copa do Mundo de 2002 tem sido veiculada nos corredores da CBF e seria uma arma política de Teixeira contra Melles. "Não acredito que a Fifa teria essa ousadia. Já me reuni com seu presidente, Joseph Blater, justamente para isto não acontecer", disse o ministro. Embora reconheça não ter poderes para tirar Ricardo Teixeira da presidência da CBF, Melles afirmou que o dirigente deverá deixar a entidade até a Copa do Mundo de 2002. O ministro disse acreditar na palavra do dirigente, que já lhe confidenciou estar disposto deixar o futebol para que ele sofra uma total reformulação. Sobre a decisão tomada por Flamengo e Vasco de não disputar o Torneio Rio-São Paulo em 2002, o ministro do Esportes acredita que isso não acontecerá. "Seria uma arbitrariedade desses dirigentes privarem seus clubes e suas torcidas desta competição", considerou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.