Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Miranda e Firmino podem trocar de time após Copa América

Robinho também desperta interesse do mexicano Querétaro

ALMIR LEITE E GONÇALO JÚNIOR, enviados especiais a Santiago, O Estado de S. Paulo

23 de junho de 2015 | 08h53

Como sempre acontece em ocasiões em que a seleção brasileira se reúne por períodos mais longos, alguns jogadores podem ir para casas novas após a participação da Copa América. A Europa se prepara para uma nova temporada e pelo menos dois atletas que estão no Chile e que jogam em times do continente podem trocar de clube: Miranda e Roberto Firmino. E Robinho, em negociação para renovar com o Santos, interessa ao mexicano Querétaro.

A ida de Miranda para a Internazionale, aliás, é dada como certa. O clube italiano teria acertado a contratação do zagueiro que atuou nas últimas quatro temporadas pelo Atlético de Madrid por 15 milhões de euros (cerca de R$ 52,5 milhões).

Miranda não se pronunciou sobre a transação. Disse, há duas semanas, não poder se falar por ter mais um ano ainda de contrato com o time espanhol. Sabe-se, porém, que a comissão técnica da seleção pediu aos jogadores que evitem falar de temas que não estejam relacionados com a disputa da Copa América. Claro que os atletas vivem em constante contato com seus representantes, mas têm preferido não falar do futuro.

O interesse do Querétaro por Robinho é recente. Deu-se a partir da saída de Ronaldinho Gaúcho. O atacante ainda tenta entrar em acordo com o Santos e, segundo se comenta, não gostaria de ir para o futebol mexicano.

Já em relação a Firmino, é quase certo que vai trocar o pequeno Hoffenheim, da Alemanha, por um time top da Inglaterra. Liverpool, Manchester United e Manchester City estão na briga pelo jogador. O time de Liverpool, aliás, fez oferta de 25 milhões de euros (R$ 88 milhões) e vai propor ao jogador contrato de cinco anos e está em vantagem na corrida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.