Givlan de Souza/Flamengo
Givlan de Souza/Flamengo

Misto do Flamengo defende invencibilidade no Brasileirão contra a Chapecoense

Em meio a desfalques, Diego voltará ao time que vai à Arena Condá

Estadão Conteúdo

13 Maio 2018 | 07h54

Classificado para as quartas de final da Copa do Brasil, o Flamengo vai até Chapecó (SC) para defender a invencibilidade no Campeonato Brasileiro contra a Chapecoense neste domingo, às 16 horas, na Arena Condá, pela quinta rodada da competição. Além disso, o time rubro-negro tenta manter a boa fase que trouxe clima de paz e pôs fim aos protestos da torcida.

Confira a tabela do Campeonato Brasileiro

Ainda sob pressão, Gilson Kleina faz mistério na Chapecoense

Mais notícias do Campeonato Brasileiro

No Brasileirão, são três vitórias e um empate em quatro jogos que deram a possibilidade de o time defender a liderança neste momento. Desde que o técnico Maurício Barbieri assumiu o comando da equipe, não perdeu. Entre Copa Libertadores, Brasileirão e Copa do Brasil, são quatro vitórias e quatro empates. A última derrota foi no final de março para o Botafogo, pela semifinal do Campeonato Carioca.

A equipe rubro-negra também ostenta uma marca importante defensivamente. Igualou o desempenho de seis anos atrás e completou 540 minutos sem sofrer gols. Já são seis jogos sem que a defesa saiu de campo sem ser vazada.

A intensa sequência de jogos e a importância do próximo duelo pela Libertadores contra o Emelec, que vale nesta quarta-feira a classificação às oitavas de final em caso de vitória, levou a comissão técnica a poupar jogadores importantes do elenco rubro-negro no duelo com a Chapecoense.

Diego Alves, Réver, Lucas Paquetá e Éverton Ribeiro não foram relacionados e sequer viajaram para Chapecó. A preservação dos quatro titulares abre espaço para jovens como o goleiro Yago, o zagueiro Léo Duarte e o meia Jean Lucas. Os dois últimos, inclusive, devem ser titulares.

Por outro lado, Diego, que se recuperou de lesão na coxa após desfalcar o time nos últimos jogos, foi relacionado e deve jogar. Assim como o zagueiro Rhodolfo, que não joga há mais de um mês. "A gente tem que se adapte a esse calendário maluco. Fazemos o máximo pra nós recuperarmos em casa e estar nas melhores condições", disse o lateral-esquerdo Renê, que deve continuar no time.

Quem deve voltar a ser titular após mais de seis meses é o atacante Guerrero. O peruano, que ficou liberado para retornar aos gramados após o fim de sua suspensão por doping imposta pela Fifa, entrou nas últimas duas partidas a pedido da torcida rubro-negra. Nas duas ocasiões, lutou muito, se movimentou e é uma sombra importante para Henrique Dourado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.