Mistura de ritmos agita festa de encerramento no Maracanã

Megaprodução custou R$ 7 milhões e terá cantores de vários estilos, como Arlindo Cruz, Ivete Sangalo e Jorge Ben Jor

LEONARDO MAIA , O Estado de S. Paulo

30 de junho de 2013 | 08h08

RIO - Os mais de 70 mil felizardos que têm seu lugar garantido para a decisão da Copa das Confederações, no jogo mais esperado dos últimos anos, precisam chegar cedo ao Maracanã para não correr o risco de se atrasar em razão dos muitos protestos programados que têm o estádio como destino final. Como atrativo para o torcedor se antecipar – o jogo entre Brasil e Espanha será às 19 horas - a organização programou a cerimônia de encerramento da competição para 17h25.

 

Será um show de R$ 7 milhões essencialmente musical, e o público terá a oportunidade de ver cantores de destaque em vários estilos tipicamente brasileiros. Com o tema "Juntos num só ritmo", se apresentarão o sambista Arlindo Cruz, a dupla sertaneja Victor & Leo, Ivete Sangalo, representado o axé baiano, e Jorge Ben Jor, ícone da MPB.

 

Eles receberão o suporte da bateria da escola de samba Acadêmicos do Grande Rio. O show terá duração de 18 minutos e pretende exaltar o espírito alegre do brasileiro. Além dos artistas, 1.250 voluntários, selecionados entre sete mil candidatos, vão participar da festa.

 

Os organizadores aconselham fortemente que o público chegue com antecedência. Para isso, os portões serão abertos às 15 horas, uma hora antes do habitual com relação ao horário do pontapé inicial. A indicação das autoridades públicas é utilizar o transporte público, principalmente o metrô e o trem, que deixarão os torcedores próximos ao estádio.

 

Quem deixar para chegar próximo ao horário do jogo poderá ter problemas. Duas manifestações estão agendas para o entorno do Maracanã. Uma é organizada pelo Comitê Popular da Copa e Olimpíada, que critica a privatização do estádio e a derrubada do Parque Aquático Júlio Delamare e do estádio de atletismo Célio de Barros. Outra pretende se reunir mais tarde e encontrar o outro protesto às portas do local da partida.

 

Um inédito efetivo policial está de prontidão, com mais de 11 mil policias militares trabalhando nas cercanias do Maracanã e montando cordões de isolamento num raio de 2 km da arena. Só entrarão nesse perímetro aqueles que estiverem com os ingressos para a final. Além do aparato da polícia, 7,4 mil militares das Forças Armadas vão se posicionar em pontos estratégicos da cidade.

 

Os líderes das manifestações prometem não violar os bloqueios. Se forem impedidos de se aproximar do Maracanã, garantem que vão respeitar o isolamento. Por seu lado, a PM também informa que vai evitar o confronto ao máximo. A ordem é utilizar bombas de gás e de efeito moral e balas de borracha apenas em último caso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.