Ivan Storti/Divulgação
Ivan Storti/Divulgação

Modesto veta venda de Geuvânio com time de Luxemburgo

Presidente diz que proposta não agradam ao time da Vila

Estadão Conteúdo

14 de janeiro de 2016 | 20h21

O atacante Geuvânio não sai da Vila Belmiro vendido. Se os chineses do Tianjin Quanjin, time do técnico Vanderlei Luxemburgo, quiser mesmo contar com o jogador, vão ter que depositar na conta bancária do Santos o valor da multa rescisória: US$ 50 milhões. Pelo menos é isso que assegura o presidente do Santos, Modesto Roma Júnior.

"Se for 50 milhões (de dólares) pode levar. Não chegou nenhuma proposta perto de 30 (milhões de dólares), não. Isso é só conversinha. Eu não vi nenhuma proposta de 30 milhões, não. Não falamos de valores, mas é bem menos", garantiu o dirigente, nesta quinta-feira, em entrevista à Rádio Globo.

O interesse dos chineses por Geuvânio já vinha sendo especulado no País e ganhou força depois que e imprensa chinesa publicou que o time de Luxemburgo havia feito uma proposta de US$ 30 milhões. Na mesma entrevista à Rádio Globo, Modesto não negou a informação dada por um repórter, de que a oferta é de US$ 11 milhões.

O problema é que, segundo o presidente do Santos, Geuvânio já aceitou a oferta do clube chinês, que teria prometido pagar R$ 1 milhão por mês em salários. "Como vou dizer quando oferecem para o atleta 1 milhão por mês, que é muito mais do que ele ganha aqui, que eu não posso atender isso? É desleal, não é?", questionou Modesto.

O presidente do Santos questiona a prática dos chineses, que fere as normas da Fifa. A entidade máxima do futebol só permite que um clube negocie salários com um jogador após receber aval do clube detentor dos direitos federativos. O Corinthians já havia feito a mesma queixa.

No caso de Geuvânio, Modesto garante que não adianta o Tianjin Quanjin conversa com o atacante se não garantir US$ 50 milhões ao Santos. "Esses valores não interessam ao Santos. Se eles querem levar o jogador, levem, mas tem que pagar os valores que interessam ao clube. O Santos tem uma multa. Se pagarem a multa rescisória não tem problema nenhum."

Na segunda divisão da China, o Tianjin Quanjin já contratou o meia Jadson, do Corinthians, e o atacante Luis Fabiano, do São Paulo, ambos seduzidos por salários milionários. O sonho de Luxemburgo era contar também com Alexandre Pato, que rejeita se transferir à China neste momento. O nome de Paulo Henrique Ganso também foi especulado no clube.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSantos FCGeuvânio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.