AFP Photo / STR
AFP Photo / STR

Modric depõe na Croácia em caso de corrupção com ex-diretor do Dínamo Zagreb

Jogador não é suspeito; acusado é Zdravko Mamic, que tem grande poder no futebol croata

Estadão Conteúdo

13 de junho de 2017 | 12h50

O volante Luka Modric, do Real Madrid, compareceu nesta terça-feira a um tribunal croata para depor como testemunha chave de um polêmico caso de corrupção que envolve seus acordos financeiros com Zdravko Mamic, ex-diretor do Dínamo Zagreb acusado de evasão de impostos e fraude fiscal.

O jogador de 31 anos, que não é suspeito de corrupção neste caso e iniciou a sua carreira na equipe croata, falou sobre detalhes de sua transferência do Dínamo para o Tottenham, em 2008, quatro anos antes de se transferir para o Real Madrid.

Modric afirmou que tinha um acordo com Mamic que previa o pagamento ao clube croata de 50% do valor da transação que o levou ao time inglês. O atleta disse que o valor da negociação girou "entre" 21 milhões e 23 milhões de euros (algo em torno de R$ 77 milhões a R$ 88 milhões) e que, depois de uma soma deste montante ser depositada em uma conta do Dínamo, ele deu uma quantia adicional não especificada em "dinheiro na mão" a um irmão e a um filho do ex-diretor do time croata.

"Meu objetivo era liquidar todos meus débitos com ele (Mamic), então não lhe devo qualquer coisa no futuro", disse o meio-campista ao falar sobre o dirigente que é suspeito de cometer fraudes em acordos feitos durante transferências de vários jogadores do Dínamo para clubes de fora da Croácia.

O zagueiro croata do Liverpool Dejan Lovren também tem a sua presença em julgamento no mesmo tribunal croata para depor sobre sua transferência do Dínamo Zagreb para o Lyon, em 2010, que também é suspeita de irregularidades.

As autoridades acusam Mamic, seu irmão e treinador Zoran e outras duas pessoas, sendo uma delas Damir Vrbanovic, dirigente da Federação Croata de Futebol, de terem desviado 12 milhões de euros (cerca de R$ 44 milhões) do dinheiro do clube desde 2008, além de não pagarem 1,6 milhão de euros (aproximadamente R$ 6,6 milhões) em impostos. Todos os quatro acusados negaram as acusações contra eles.

Figura central deste escândalo, Mamic é ainda considerada a pessoa mais poderosa do futebol da Croácia, que é um país que tem uma seleção reconhecidamente competitiva e forte, mas que sofre para conseguir resultados expressivos no cenário europeu e ainda é vítima de uma série de problemas causados pelo comportamento de torcedores violentos, mais conhecidos como hooligans. Isso ficou claro em episódio envolvendo seguidores no time nacional na Eurocopa de 2016, na França.

Acusado de corrupção, Mamic foi ao ataque após a audiência desta terça no tribunal: "Este julgamento é uma farsa e um show nojento". Ele ainda qualificou as acusações contra ele como uma "falácia repugnante" e ironizou ao dizer que estava se sentindo uma "estrela de Hollywood" em alusão ao fato de que pessoas de Osijek, cidade para onde o julgamento foi deslocado, o abordaram para cumprimentá-lo ou apertar sua mão.

O julgamento foi transferido para Osijek, de acordo com a imprensa croata, aparentemente por causa do temor de que Mamic pudesse influenciar juízes da capital Zagreb, onde teria relação estreita com alguns dos magistrados locais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.