Mogi: com Estevam seria mais fácil

Por mais que o Palmeiras imponha respeito por sua tradição, o técnico José Carlos Serrão, do Mogi Mirim, está mais preocupado com o momento que vive o clube da capital. Segundo o técnico, os estudos foram feitos em cima do time comandado por Estevam Soares, demitido na última terça-feira. Portanto, Serrão não sabe o que esperar em campo nesta quinta-feira, no Estádio Palestra Itália, às 20h30.Com a demissão Estevam Soares anunciada pela diretoria alviverde, os planos de Serrão terão de ser alterados. Além disso, segundo ele é sempre mais difícil enfrentar um time grande precisando de reabilitação. "Estava montando minha equipe para enfrentar o esquema de jogo apresentado pelo Estevam Soares no jogo de domingo. Com a saída dele terei também que mudar meus planos. Além disso, eles virão com energia extra pela vitória" revela o técnico, que manterá o esquema 3-5-2.Por outro lado, o Mogi Mirim tem a seu favor o status de surpresa da competição, tendo vencido cinco partidas em seis disputadas. Como o jogo é válido pela sexta rodada e o Mogi é o quarto colocado, com 15 pontos ganhos, uma vitória coloca o time do interior na segunda colocação absoluta da competição, fato que justifica o pensamento otimista do treinador. "Nós também temos motivos de sobra para dar o sangue pela vitória", explica.Para esta partida ele terá time completo e poderá promover a volta do zagueiro Fábio Brás, que cumpriu suspensão automática na vitória por 2 a 0 diante da Portuguesa Santista. A dupla Diguinho e Fábio Costa, que marcou os gols do último jogo e tem sido destaque do time, ficam mais uma vez como a esperança de boas jogadas.

Agencia Estado,

16 de fevereiro de 2005 | 18h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.