Mogi Mirim credita ascensão a técnico

Em 2001, o Mogi Mirim viveu um ano de contrastes. Após ser rebaixado no Campeonato Paulista, o time conseguiu no segundo semestre, na disputa da difícil Série C do Campeonato Brasileiro, garantir o acesso à Série B, além de ainda lutar pelo título. Nem a derrota para o Etti Jundiaí, por 3 a 1, na quarta-feira, tirou a alegria do time, que assegurou o acesso com a derrota do Guarany-CE para o Atlético-GO, em Goiânia, por 3 a 1. Mogi Mirim e Etti Jundiaí garantiram o acesso e, agora, brigam pelo título da Série C.Em Mogi Mirim, torcedores e dirigentes não têm dúvidas ao afirmar quem foi o grande responsável pela volta por cima do clube: o técnico Adílson Batista. No seu primeiro trabalho como treinador, o ex-zagueiro do Corinthians e do Grêmio já vem se destacando. Ao contrário do poderoso Etti, seu concorrente direto, o Mogi apostou em jovens promessas. "Tivemos que saber aproveitar o melhor de cada um", confirmou o técnico, de 33 anos.Antes mesmo de assumir sua nova função, Adílson não esconde que viveu momentos difíceis em sua carreira. "Fui dispensado pelo Corinthians e fiquei sem clube. Só daí passei a estudar a possibilidade de ser um treinador profissional", disse.A boa fase do time indica o bom trabalho realizado no clube. Comparando os números do Mogi Mirim no Paulistão e na Série C, com a mesma base de jogadores, o técnico conseguiu dobrar o aproveitamento da equipe. No Paulistão, em 15 jogos disputados, o Mogi conquistou apenas 15 pontos, um aproveitamento de 33%, o que lhe rendeu a lanterna da Série A-1 e o rebaixamento. Pela Série C, em 19 partidas, entre primeira, segunda e terceira fase, o Mogi conquistou no total 36 pontos, aproveitamento de 63%. "De que adiantariam os números se não tivéssemos nos classificado?", brincou Adílson.Quanto ao futuro, Adílson não decidiu nada. Ele gostaria de disputar o Paulistão pelo clube, porém, o que se sabe até o momento é que os jogadores serão mantidos. ?Vamos analisar as propostas, mas a vontade é de ficar em Mogi Mirim?, finalizou o técnico.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.