Mogi Mirim e Oeste voltam a campo para definir vaga na A-2

Time de Mogi Mirim precisa empatar para garantir sua presença na elite do Campeonato Paulista

Agência Estado,

23 de maio de 2008 | 18h40

Mogi Mirim e Oeste voltam a campo, neste sábado, para disputar a última partida da fase final do Campeonato Paulista da Série A-2. Tudo depois de uma decisão inédita do Tribunal de Justiça (TJD) da Federação Paulista de Futebol (FPF), que anulou o jogo anterior alegando que os dois times fizeram um jogo de compadres e realizaram um ato antidesportivo no último dia 3, no empate sem gols. A decisão não atrapalhou o Oeste, que com 10 pontos no Grupo 3, já garantiu o acesso. Mas o Mogi Mirim, com sete pontos e saldo de gols zero, precisa pelo menos empatar para superar o Atlético Sorocaba, com sete pontos e com um negativo de saldo de gols. O São Bento está eliminado. Se o Mogi Mirim não pode perder, a vitória tira do Oeste o direito de decidir o título da temporada contra o Santo André, campeão do Grupo 2, que também já garantiu o acesso junto com o Botafogo, de Ribeirão Preto. A remarcação do jogo, definida pelo TJD na última segunda-feira, aparentemente não causou tantos transtornos, mas gerou algumas situações inusitadas. O técnico do Mogi, Argel, já tinha assumido a função no Guaratinguetá para a disputa da Série C do Brasileiro, mas voltou "emprestado". Como o goleiro Fernando, que já estava no Paulista, de Jundiaí. No Oeste, a única baixa é o zagueiro Negretti, negociado com o Náutico, que disputa a Série A do Brasileiro. O técnico Roberto Fonseca escalou Adelmo na defesa e promete muito empenho para buscar a vaga na final. "Vamos jogar com seriedade, como aconteceu no último jogo". Na ocasião, a partir dos 23 minutos do segundo tempo, tanto Mogi como Oeste priorizaram os passes laterais depois que tomaram conhecimento da vitória, por 1 a 0, do Atlético sobre o São Bento. O empate, então, já serviria para Mogi e Oeste que, castigados pelo TJD, voltam a campo. Ao contrário do que chegou a ser anunciado, o Mogi Mirim não fechou acordo com algumas empresas locais para a liberação da entrada à torcida. Somente os torcedores que tiverem os bilhetes anteriores na mão é que terão a entrada franqueada. Os demais terão que pagar o ingresso ao custo de R$ 10.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.