Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Moisés garante continuidade no Palmeiras e torce por 'família Scolari'

Meia recusa oferta do exterior para ficar na equipe e se diz ansioso para trabalhar com Luiz Felipe Scolari

O Estado de S. Paulo

01 Agosto 2018 | 13h42

O meia Moisés, do Palmeiras, afirmou nesta quarta-feira já ter resolvido com a diretoria a permanência no clube. Com proposta do futebol dos Emirados Árabes Unidos, o jogador se reuniu com o presidente Mauricio Galiotte e o diretor de futebol Alexandre Mattos para confirmar a recusa da oferta e garantir o desejo de participar da nova era do time, a ser dirigido agora por Luiz Felipe Scolari.

+ Copa do Brasil traz novidade na arbitragem

+ Tensão política acirra ânimos no Palmeiras

"Estou feliz aqui. Minha família, muito feliz também. Tive uma proposta muito interessante, mas acredito que não é momento de sair. Estou bem contente aqui, quero conquistar mais títulos, foi isso que pesou na minha permanência", disse o jogador em entrevista coletiva na Academia de Futebol após o treino, realizado pela manhã. A atividade foi fechada à imprensa e serviu para definir a escalação que enfrenta o Bahia, na quinta, em Salvador, pela Copa do Brasil.

Moisés está desde 2016 no Palmeiras e afirmou estar animado pela chance de trabalhar com Felipão. O novo treinador se apresenta ao clube na sexta-feira e estreia no domingo, contra o América-MG, em Belo Horizonte, pelo Campeonato Brasileiro. O meia disse ter conversado com o colega de time, o atacante Dudu, para saber como foi a convivência com o técnico em 2014, no Grêmio.

"O Dudu falou que foi muito boa a passagem deles juntos. Ele disse que é um cara que agrega muito à equipe, faz com que o time dê sempre o máximo, os jogadores se matam em campo. É um cara que vai nos ajudar bastante. Estou bem ansioso para trabalhar com um campeão mundial", afirmou Moisés. Felipão assinou contrato com o clube até dezembro de 2020.

O meia disse torcer para que Felipão consiga montar no Palmeiras uma espécie de família, assim como foi na campanha do título da seleção brasileira na Copa de 2002. "Entre nós tem um ambiente bom. Chegando um cara que é paizão, que gosta de criar esse ambiente família, a tendência é melhorar mais. Ele vai encontrar um grupo legal e vai fazer um ambiente melhor. Vai ser uma família vencedora", disse.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.