Marcos Valverde/AE
Marcos Valverde/AE

Molina brilha e Santos vence o Fluminense no Maracanã

Colombiano marca um e dá o passe para outro gol na vitória por 4 a 1. Kléber Pereira desencanta e faz dois

24 de maio de 2009 | 18h03

Colocado no time para substituir o 'castigado' Neymar, Molina foi o maior responsável pela vitória de virada do Santos em cima do Fluminense, por 4 a 1, em pleno Maracanã, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro. O outro desta que foi Kléber Pereira, que marcou dois.

Veja também:

link Mancini diz que barrou Neymar para segurar Fluminense

especial Visite o canal especial do Brasileirão

especial Jogue o Desafio dos Craques

tabela Brasileirão Série A - Classificação e Calendário

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

A vitória foi a primeira do Santos no Brasileirão e encerrou uma série de cinco jogos sem vitórias. O resultado deixou o time entre os primeiros da tabela, com cinco pontos.

O Fluminense, que terminou o jogo com dois jogadores a menos, entra em crise - motivada também pela eliminação na Copa do Brasil. O time saiu vaiado de campo e sob gritos de "time sem vergonha".

Na próxima rodada, o Santos encara o clássico contra o Corinthians, na Vila Belmiro, no domingo. No mesmo dia, o Fluminense visita o Náutico, nos Aflitos.

Castigo para quem?

Considerado 'sobrecarregado' pelo técnico  Vágner Mancini, o jovem Neymar foi sacado do time do Santos. Em seu lugar, entrou Molina. O que deveria ser um 'castigo' para a jovem estrela santista, foi na verdade um castigo para o Fluminense.

No entanto, embora o Santos tenha jogado ligeiramente melhor, foi Fluminense quem marcou primeiro. Logo aos 9, Mariano tramou boa jogada com Fred e Conca na entrada da área e acabou recebendo livre na altura da marca do pênalti. Aí o lateral mostrou categoria e bateu deslocando Fábio Costa.

O gol do Fluminense não mudou em nada o ímpeto do Santos, que conseguiu, depois de muito insistir, o gol de empate, numa jogada de bola parada. Depois de uma falta sofrida por ele mesmo na entrada da área, pela esquerda, Molina bateu bem, sem chance para Fernando Henrique, aos 37.

 FLUMINENSE 1
Fernando Henrique; Mariano (Eduardo Ratinho     ), Luiz Alberto     , Edcarlos e Dieguinho     ; Wellington Monteiro, Marquinho (Maurício), Conca e Thiago Neves; Maicon (Alan) e Fred.
Técnico: Carlos Alberto Parreira
 SANTOS 4
Fábio Costa; Luizinho, Fabão, Domingos e Léo      (Pará); Roberto Brum, Rodrigo Souto, Paulo Henrique (Paulo Henrique Rodrigues), Madson e Molina     (Neymar); Kleber Pereira
Técnico: Vágner Mancini
Gols: Mariano, aos 9, e Molina, aos 37 minutos do primeiro tempo. Madson, aos 5, e Kléber Pereira, aos 39 e aos 41 minutos do segundo tempo.

Árbitro: Leandro Pedro Vuaden

Renda: R$ 164.071,50

Público: 11.953 pagantes / 13.274 total

Estádio: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)

No segundo tempo, a estrela de Molina, e do técnico Vágner Mancini, voltou a brilhar. Logo aos cinco minutos, o substituto de Neymar fez grande passe para Madson, que ficou cara a cara com Fernando Henrique, driblou o goleiro e tocou para o gol vazio.

Quando parecia que o Santos já tinha o jogo resolvido, Vágner Mancini decidiu encerrar o "castigo" de Neymar e colocou o atacante na partida. Ele iria entrar no lugar de Kléber Pereira (a placa já tinha até subido), mas Molina pediu para sair.

Sábia mudança: no seu primeiro lance, aos 39, Neymar fez uma bela enfiada para Madson, que se livrou bem da marcação e  cruzou exatamente para Kléber Pereira, entrar de carrinho e marcar o seu primeiro no campeonato.

Dois minutos mais tarde, o mesmo Neymar chutou da entrada da área, Fernando Henrique espalmou e Kléber Pereira apareceu para empurrar para o gol e definir o placar. 4 a 1.

Expulsões

Boa parte da "culpa" pelo resultado elástico no Maracanã ficou por conta dos cartões vermelhos para o Fluminense. Embora o árbitro Leandro Pedro Vuaden tivesse sido um poco rigoroso na expulsão de Dieguinho, aos 19 do segundo tempo, ele foi perfeito quando mandou Eduardo Ratinho mais cedo para o vestiário, após entrada criminosa em Neymar, aos 40 da segunda etapa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.