Molina muda estilo de jogar para ter sucesso no Santos

Atacante colombiano conta ter estranhado estilo de jogo dos brasileiros; diretores querem ampliar a Vila

Sanches Filho, Especial para O Estado de S. Paulo

25 de fevereiro de 2008 | 10h08

Molina precisou de apenas quatro jogos para se tornar o novo ídolo da torcida do Santos. Se contra o Guarani, na quinta-feira, Kléber Pereira comandou o espetáculo e levou o time à vitória, na Vila Belmiro, quem jogou acima da média neste domingo contra o Ituano e teve o nome gritado pela torcida foi o novo camisa 10 que o time santista recebeu de graça. Fez um gol, deu passes para mais dois e chegou a lembrar Zé Roberto em vários momentos, principalmente no lance em que mandou a bola no travessão ao tentar o gol por cobertura. Veja também: Com show de Molina, Santos goleia o Ituano na Vila Belmiro  Leão: goleada do Santos teve começo difícil e final feliz "É uma alegria fazer o meu primeiro gol num clube tão importante como o Santos", disse o meia quando saía de campo no fim do primeiro tempo. Na volta, o colombiano, assumiu o time, que empate por 1 a 1 e estava com um jogador a menos. Depois do jogo, Molina reconheceu que estranhou a maneira dos brasileiros jogar. "Aqui se usa muito o corpo-a-corpo no meio de campo e tive que mudar. Sei que tenho que correr atrás todos os dias e estou feliz por ter feito uma atuação como essa no país que tem o melhor futebol do mundo e os jogadores de melhor nível técnico." ESTÁDIO À VISTA?O projeto de ampliação do estádio da Vila Belmiro, de 20 mil para 37.119 espectadores, numa primeira etapa, pode começar a sair da gaveta nesta semana. Depois de ouvir do presidente da CBF, Ricardo Teixeira, a promessa de ajuda para a modernização dos estádios das sedes e subsedes da Copa do Mundo de 2014, o Santos pediu urgência à Prefeitura Municipal da cidade no encaminhamento do projeto. "Já existe um trabalho bem adiantado e a Prefeitura está analisando a última versão do projeto de modernização da Vila Belmiro. Em breve vamos discutir com a comunidade os benefícios e as mudanças que as obras vão provocar no entorno da Vila", disse o prefeito de Santos, João Paulo Tavares Papa, no programa Esporte por Esporte, da TV Santa Cecília, da família Teixeira. Logo que o Brasil foi confirmado como país-sede da Copa de 2014, o Santos passou a trabalhar para receber uma das seleções em seu moderno centro de treinamento, com três campos. Agora, segundo dirigentes santistas, a CBF sinalizou com o interesse na modernização da Vila Belmiro e se propondo a ajudar financeiramente, o que poderá antecipar o início das obras. O prefeito Papa explicou que um dos empecilhos é que a lei que regulamenta o sistema viário da cidade terá que ser alterada, em razão de o projeto de modernização do estádio prever a diminuição da largura de algumas ruas nas cercanias da Vila. "O esforço é grande porque estamos falando em duplicar a capacidade do estádio utilizando o mesmo espaço. O bairro é tranqüilo, à exceção de nos dias de jogos, e o segredo do projeto é incomodar o mínimo os moradores", disse Papa, esclarecendo que a Prefeitura não pode destinar recursos para uma obra particular e tampouco auxiliar o Santos na procura de investidores.

Tudo o que sabemos sobre:
Santos FCPaulistão A-1estádios

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.