Molina pode ser a novidade do Santos na Copa Libertadores

Colombiano deve ser escalado pelo técnico Emerson Leão para armar as jogadas no lugar de Rodrigo Tabata

Sanches Filho, O Estado de S. Paulo

12 de fevereiro de 2008 | 09h50

O Santos já está em Cúcuta, na Colômbia, onde irá jogar nesta quarta, em sua estréia na Libertadores. A delegação santista, com 18 jogadores, embarcou na manhã de segunda - pela tarde, dois reforços recém-contratados, colombiano Molina e o equatoriano Michael Jackson Quiñones, acertaram alguns detalhes de documentação e também viajaram para se juntar ao grupo.  Veja também: Calendário e jogos da Libertadores Enquanto isso, a diretoria do Santos confirmou que dois novos atacantes, o argentino Tripodi e o chileno Sebastián Pinto, assinaram contrato nesta segunda-feira e serão apresentados oficialmente nesta terça. Mas eles devem demorar um pouco para estrearem no time, já que ainda estão fora de forma física - o técnico Emerson Leão prevê pelo menos 30 dias de preparação. De qualquer maneira, os dois novos estrangeiros do Santos entraram na lista dos 25 inscritos para a Libertadores. Também fazem parte desse grupo o zagueiro Fabão, em fase final de recuperação de uma cirurgia no tornozelo, e o lateral-esquerdo Kléber, que deve ficar mais duas semanas tratando de uma inflamação no púbis. Mas, para o jogo de estréia, quarta-feira, contra o Deportivo Cúcuta, a novidade santista deve ser mesmo Molina, cotado para entrar no time titular. O colombiano seria escalado por Leão para ser o responsável pela armação das jogadas no meio-de-campo, no lugar de Rodrigo Tabata. MOMENTO FAVORÁVELA boa atuação do time no segundo tempo do clássico contra o São Paulo, apesar da derrota por 3 a 2, deixou os jogadores e Leão mais animados para a estréia na Libertadores. O técnico não quis falar sobre a escalação do time que enfrenta o Cúcuta, mas já deu a entender que vai optar mesmo por Molina. Embora tenha participado apenas do treino coletivo de sábado, o colombiano mostrou que pode ser a solução para a meia-esquerda, posição que ficou vaga com a saída de Pedrinho e Petkovic no final do ano passado. Molina trabalha bem com a perna esquerda, tem visão de jogo e, além de saber lançar, finaliza de fora da área, aumentando o poder ofensivo da equipe. DE SAÍDAPela relação dos 25 jogadores inscritos na Libertadores, pode-se imaginar que alguns jogadores do elenco, como Vítor Júnior, Marcelo e Moraes, podem fazer parte da lista dos dispensáveis. Leão prefere não falar em dispensa, mas argumenta que, com a chegada dos quatro estrangeiros e do zagueiro Fabão, além da promoção dos garotos dos juniores, o grupo santista ficou "grande demais".

Tudo o que sabemos sobre:
Santos FCCopa Libertadores

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.