Andy Rain/EFE
Andy Rain/EFE

Monaco faz 3 a 1 no Arsenal e encaminha vaga para as quartas

Time surpreende o rival no Emirates Stadium e pode perder por até um gol de diferença na partida de volta da Liga dos Campeões

Estadão Conteúdo

25 de fevereiro de 2015 | 18h54

O Monaco fez mais do que sua parte, surpreendeu o Arsenal em pleno Emirates Stadium, em Londres, e deu um grande passo para se garantir nas quartas de final da Liga dos Campeões. A equipe aproveitou três das poucas chances que teve e foi ajudada pela péssima jornada de Giroud para vencer por 3 a 1, nesta quarta-feira.

O duelo foi definido nos últimos instantes da partida. Até os 45 minutos do segundo tempo, o Monaco vencia por 2 a 0 e abria bela vantagem no confronto. O Arsenal descontou nos acréscimos e aliviou a pressão da torcida, que gritava "olé" nas trocas de passe do Monaco. Mas os visitantes marcaram o terceiro aos 48 e mantiveram a boa folga no marcador.

Com o resultado, o Monaco pode até perder por um gol de diferença na volta, dia 17 de março, no Estádio Louis II, que se classificará. Ao Arsenal, resta vencer por três gols de diferença, ou ao menos dois, desde que o placar seja superior a 2 a 0.

O Arsenal até começou melhor nesta quarta e teve seu primeiro bom momento logo com um minuto, quando Welbeck recebeu lançamento, aproveitou bobeira da zaga, mas bateu por cima. O Monaco logo percebeu as fontes das principais jogadas do adversário e, mesmo que permitisse que os ingleses ficassem com a bola, se via seguro na defesa, sem permitir novas oportunidades.

Somente aos 32, o Arsenal voltou a assustar, em chute de Sanchez que passou perto. O Monaco também levou perigo aos 34, com João Moutinho, mas foi Kondogbia que abriu o placar para a equipe. Aos 37, ele recebeu na intermediária e, mesmo de muito longe, arriscou. A bola desviou no meio do caminho, em Mertesacker, e matou o goleiro Ospina.

Como no primeiro tempo, no segundo a primeira chance do Arsenal saiu logo com um minuto, quando Sánchez deu belo drible da vaca no marcador e tocou para Giroud, que jogou rente à trave. Giroud ainda teria outro bom momento, após cobrança de falta, mas novamente o Monaco voltou a controlar bem o jogo.

E, com a vantagem, o time do principado pôde se dar ao luxo de ir à frente somente nos contra-ataques. Foi assim que marcou o segundo aos sete. O brasileiro Fabinho roubou no meio de acionou rapidamente para Martial, que dominou e rolou para Berbatov. O búlgaro invadiu a área e encheu o pé no canto direito de Ospina.

Enquanto o Monaco aproveitava cada chance que tinha, Giroud seguia em tarde extremamente infeliz. Aos 11, Sánchez arriscou de longe, Subasic deu rebote, e o francês, sozinho, jogou por cima. Depois de tantos erros, a paciência de Arsène Wenger com o atacante acabou e Walcott entrou em seu lugar.

A situação do Arsenal parecia cada vez mais complicada, diante das brechas que surgiam em sua defesa. Irritada, a torcida gritava "olé" em favor do Monaco. A pressão foi aliviada aos 45, quando Chamberlain acertou belo chute de fora da área e diminuiu a vantagem dos visitantes.

Mas o Monaco não se encolheu e partiu para o ataque. E, aos 48 minutos, Carrasco, que havia desperdiçado ótima oportunidade minutos antes, disparou pela direita, invadiu a área e bateu na saída do goleiro Ospina, garantindo a boa vantagem para o jogo da volta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.