Waleed Ali/Reuters
Waleed Ali/Reuters

Monitorado por Luis Enrique, Gabriel Paulista quer jogar pela seleção espanhola

Treinador acompanhou a atuação do zagueiro brasileiro que defende o Valencia no empate com o Real pela Supercopa

Redação, O Estado de S.Paulo

09 de janeiro de 2020 | 07h06

O zagueiro Gabriel Paulista respondeu nesta quarta-feira à declaração do técnico da Espanha, Luis Enrique, de que está monitorando suas atuações, reafirmando o desejo de ser convocado pela Fúria.

"Estou feliz de verdade, e todos sabem que tenho a esperança de jogar pela seleção espanhola", afirmou o brasileiro em Jidá, na Arábia Saudita, após a derrota do Valencia para o Real Madrid por 3 a 1 pela semifinal da Supercopa da Espanha.

"Vou continuar trabalhando com minha equipe, o Valencia, que é o mais importante. Quero terminar bem a temporada, levar o time ao nosso objetivo principal, e se Luis Enrique quiser e acreditar que sou jogador para ajudar a seleção, estarei à disposição. Quero muito", acrescentou o zagueiro, de 29 anos.

Presente ao estádio King Abdullah Sports City, em Jidá, para assistir à primeira das duas semifinais da Supercopa, Luis Enrique revelou que monitora as atuações de Gabriel Paulista.

"Estou acompanhando qualquer jogador que possa ser selecionável, e Paulista está em uma fase que pode ser que seja", disse.

Em outubro do ano passado, o jogador revelado pelo Vitória e que também passou por Villarreal e Arsenal já havia manifestado a intenção de defender a Espanha - está em processo para adquirir a dupla cidadania - e disse que recusaria um convite de Tite para atuar pela seleção brasileira. Em 2015, ele chegou a ser convocado por Dunga para amistosos contra França e Chile, mas não entrou em campo.

Brasileiro na Espanha

Vários jogadores nascidos no Brasil defendem ou já defenderam a seleção espanhola. Da atual geração, Diego Costa, Thiago Alcântara e Rodrigo optaram por jogar pela seleção europeia. Em 2008, Marcos Senna foi campeão da Eurocopa e ajudou no desenvolvimento do grupo que iria ganhar a Copa do Mundo, em 2010./Com informações da EFE

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.