Montenegro é a esperança do River

O meia Daniel Montenegro é a maior esperança de Leonardo Astrada para deixar o River mais ofensivo e sufocar o São Paulo, em busca da classificação para a final da Libertadores. Ele recuperou-se de uma lesão no músculo adutor da coxa direita e está pronto para jogar. Não iniciará o jogo como titular. Estará no banco pronto para dar mais poder ofensivo ao River que deverá ter a mesma equipe que começou a partida de quarta-feira. Com a entrada de Montenegro, Astrada muda taticamente o River. Ele troca o 4-3-1-2 por um 3-3-2-2 mais ofensivo. Quem perde o lugar é o uruguaio Carlos Diogo, lateral-direito titular. A defesa passa a ser responsabilidade de Ameli, jogando mais atrás, Tuzzio pela direita e o lateral Domínguez, pela esquerda, atuando como zagueiro. Os três do meio-de-campo continuam os mesmos: Lucho González, pela direita, Mascherano no centro e Zapata, pela esquerda. Montenegro se junta a Gallardo, com os meias mais próximos dos atacantes Farías e Salas. Para Astrada, mais importante do que a parte tática é que o River entre em campo mentalizado que pode vencer o jogo. "Estamos acostumados a fazer muito gols em nosso estádio e isso é que interessa. Fizemos três no Banfield (3 a 2) e quatro na LDU (4 a 2) e podemos tirar essa vantagem que eles conseguiram." O técnico pede uma atenção muito grande quando se perder uma bola. "Aí, teremos que ter os cuidados necessários. Se fizerem um gol vai ser duas vezes mais difícil conseguir a classificação, mas mesmo assim, estaremos na final." Para Astrada, o River é um time que busca sempre ser o dono da partida. E isso tem de continuar. "Ainda mais agora, que jogamos no nosso campo, com o apoio da nossa torcida, temos de buscar o resultado como sempre fazemos. Algumas vezes não conseguimos, mas isto é o que melhor sabemos fazer." O técnico do River mostra-se um muito irritado com as pessoas que acusa de não acreditarem em sua equipe. "Muitos estão convencidos que estamos fora, mas vamos surpreender. Eu acredito que é possível que do meio-de-campo para a frente é possível cercar esse São Paulo. É isso o que queremos, jogar dentro do campo deles. Impor o nosso ritmo nos 40 metros mais perto do gol de Rogério Ceni. Se fizermos isso e tivermos clareza de jogo, não teremos problema em vencer a série e a Libertadores. Podemos até jogar com Montenegro, mas o mais importante é atacar com qualidade e não com quantidade." O treinador afasta também a possibilidade de seu time cair em desespero caso não consiga um gol no início do jogo. "Nada disso. Todos sabemos que a partida vai ser ganhar em 90 minutos e não haverá desespero. Estamos muito confiantes e sabemos que essa é uma das partidas em que se tem de jogar com alma o tempo todo. Vamos fazer isso aqui?.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.