Morales diz que veto da Fifa a jogos na altitude é 'apartheid'

Um gol de pênalti bastou ao presidenteboliviano, Evo Morales, para ganhar o coração de centenas depessoas que abarrotaram na quinta-feira um pequeno estádio dacapital peruana, em um jogo contra o veto da Fifa às partidasem grande altitude acima do nível do mar. Morales disputou o jogo pouco depois de desembarcar doavião que o trouxe a Lima, cidade situada quase ao nível domar, para participar na sexta-feira da Cúpula de chefes deEstado da América Latina, Caribe e a União Européia. A partida foi jogada diante de cerca de 2.000 pessoas nasede da Universidade de Engenharia, na periferia da cidade,onde está sendo realizada uma cúpula alternativa de movimentosde esquerda. "Este jogo de futebol está orientado a defender o futebolna altura ... o veto à altitude é um apartheid no futebol, noesporte", disse Morales depois de uma entrevista coletiva nasede onde acontece o encontro de líderes. Vestindo a camisa verde da seleção da Bolívia e com onúmero 10 nas costas, Morales enfrentou um time de veteranosjogadores peruanos no qual também estava o ex-candidato àPresidência peruana, o militar aposentado Ollanta Humala. A partida terminou empatada por 2 x 2. A Fifa decidiu que jogos internacionais não podem serdisputados em estádios situados a mais de 2.750 metros sobre onível do mar, ao menos que os visitantes tenham uma adaptação àaltitude de ao menos uma semana, que deveria ser de duassemanas se forem disputados a mais de 3 mil metros. A Bolívia tem um estádio em La Paz a 3.600 metros. O Perutambém foi afetado com a medida da Fifa, porque tem um estádioa 2.600 metros acima do nível do mar, na região de Cusco. (Reportagem de Jean Luis Arce)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.