Morre ex-presidente do Fluminense

O ex-presidente do Fluminense Manoel Schwartz, de 82 anos, morreu na noite de terça-feira, de embolia pulmonar. Ele estava em casa quando passou mal e chegou a ser levado para um hospital. Os médicos, porém, não conseguiram reverter o quadro."Ele foi um vencedor nato. Devemos nos lembrar sempre da simpatia e competência dele", afirmou o atual presidente do Fluminense, David Fischel, que decretou luto oficial de três dias no clube carioca.Manoel Schwartz deixa viúva, Regina, quatro filhos, cinco netos e um bisneto. Schwartz foi um dos dirigentes mais vitoriosos na história do Fluminense, tendo sido presidente por duas vezes: primeiro entre 1984 e 1986 e, depois, em um pequeno período em 1998, substituindo Álvaro Barcelos, que havia renunciado ao cargo seis meses antes do término do mandato.Logo no seu primeiro ano como presidente do Fluminense, Schwartz levou o time a conquistar o seu único título do Campeonato Brasileiro, em 1984. Para tanto, realizou uma contratação de impacto: trouxe o paraguaio Romerito, que viria a se tornar um dos maiores ídolos do Tricolor. Com ele, a equipe carioca também sagrou-se tricampeã estadual (1983, 1984 e 1985). E ainda venceu a Copa Kirin, no Japão, em 1986.Anos mais tarde, em 1998, foi eleito por aclamação para substituir Álvaro Barcelos. Mas problemas de saúde fizeram o dirigente solicitar uma licença médica logo após a posse. O problema, porém, não o impediu de assumir o cargo a tempo de encerrar o mandato como campeão da Copa Rio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.