Morre o campeão mundial Schiaffino

Morreu nesta quarta-feira, aos 77 anos, Juan Alberto Schiaffino. ?Pepe?, como era carinhosamente chamado, foi considerado pelos uruguaios como um dos maiores jogadores de futebol da história daquele país. Seu maior feito no esporte foi o primeiro gol, o de empate, na final da Copa do Mundo de 1950, contra o Brasil em pleno Maracanã. O Uruguai venceu por 2 a 1 e provocou o maior desastre da história do futebol brasileiro. Além da seleção celeste, Schiaffino teve passagens marcantes também pelo Peñarol, clube que defendeu por 11 anos, entre 1943 e 1954. Nesse período, além dos títulos nacionais de 1949, 1951 e 1953, das 227 partidas e dos 88 gols, aproveitou também para ganhar destaque internacional. Na seleção uruguaia foram 23 jogos e 11 gols. O craque disputou, além da Copa de 1950, a de 1954, na Suíça. Assim, conseguiu a sonhada transferência para o futebol europeu. Na Itália defendeu o Milan por seis anos (de 1954 a 1959), quando venceu três vezes o campeonato. O reconhecimento de sua passagem pelo clube de Milão ficou evidente nesta quarta-feira. Antes da partida entre Milan e La Coruña, no San Siro, pela Liga dos Campeões, os 40 mil pagantes homenagearam ?Pepe? com uma salva de palmas no momento em que o serviço de som do estádio anunciava sua morte. Ainda na Itália, Schiaffino defendeu a Roma em 1960 e chegou a jogar quatro partidas pela seleção italiana. Como treinador, dirigiu a seleção uruguaia em 1975 e, no ano seguinte, comandou o Peñarol. Schiaffino é o terceiro campeão de 50 morto em aproximadamente um mês. No dia 10 de novembro morreu ex-zagueiro Eusebio Ramón Tejera e no início de outubro, faleceu o ex- volante Julio Pérez.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.