Morre o ex-treinador Carlos Froner

O ex-técnico de futebol Carlos Benvenutto Froner morreu nesta quarta-feira, aos 82 anos, em Tramandaí, cidade litorânea do Rio Grande do Sul, de parada cardíaca. Nome ligado à história do futebol gaúcho, Carlos Froner tinha como seu discípulo mais famoso o técnico pentacampeão do mundo, Luiz Felipe Scolari, que não perdia chance de chamá-lo de ?mestre?. A admiração vem dos tempos em que Felipão era zagueiro do Caxias, em 1978, e era orientado pelos ensinamentos de Carlos Froner, um treinador que exigia disciplina e não descuidava da marcação em seus esquemas táticos. E que consagrou a evasiva "vamos ver" para não responder perguntas de repórteres. Em recente depoimento ao programa ?Domingão do Faustão?, da Rede Globo, Carlos Froner lembrou que liberava Felipão das concentrações para ficar em casa na época em que o então jogador e a esposa queriam ter o primeiro filho. Felipão ressaltou que seu mestre tinha também a qualidade de cultivar os valores da vida em família. Chamado pelos jogadores e repórteres de "Capitão Froner", o mestre de Felipão, nascido em São Borja, em 19 de novembro de 1919, começou a orientar times durante sua carreira militar. Quando saiu do Exército, estreou treinando o Grêmio Leopoldense, de São Leopoldo, em 1949. Depois passaria por quase todos os clubes gaúchos, com destaque para o Aimoré, Caxias, Juventude e Grêmio, para onde sempre voltava, e uma rápida passagem pelo Internacional. Suas maiores glórias foram conquistadas com o Grêmio. Foram três títulos gaúchos, em 1964, 1965 e 1967, um vice-campeonato na Libertadores da América, em 1984, ano em que também levou o clube à semifinal do Campeonato Brasileiro. Carlos Froner também foi um dos primeiros técnicos gaúchos a comandar times de fora do Estado, quando assumiu o Santa Cruz, do Recife, em 1975. Um ano depois passou pelo Flamengo, época em que promoveu uma renovação de um time em que estavam despontando craques como Zico e Adílio. Nos últimos anos, Carlos Froner preferiu desfrutar da tranqüilidade de Tramandaí, de onde acompanhava o futebol pela televisão. De vez em quando recebia a visita de velhos amigos, entre os quais Felipão. O corpo de Carlos Froner será enterrado às 11 horas desta quinta-feira no cemitério de São Leopoldo, na região metropolitana de Porto Alegre.

Agencia Estado,

21 Agosto 2002 | 13h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.