Morte de goleiro causa ameaças na Guatemala

A morte do goleiro Ortiz, em conseqüência de um choque com o atacante Mario Rodriguez durante o clássico entre seu time, o Municipal, e o Comunicaciones, causou dois tipos de reações distintas. A mais visível delas é um estado de comoção entre os guatemaltecos, que não entendem como um lance de jogo pode terminar em tragédia. A outra, protagonizada por menos de uma dezena de pessoas, são as ameaças de morte que Rodriguez recebeu por meio de ligações telefônicas, feitas não só para a sua casa como para a de sua mãe.Ortiz, de 27 anos, sofreu uma hemorragia interna ao chocar-se com Rodriguez no início do segundo tempo do clássico, disputado no domingo. Seu time perdia por 2 a 0. O goleiro foi levado para um hospital da capital da Guatemala e, segundo os médicos, estava consciente e com quadro estável. Mas acabou sofrendo uma parada cardíaca.Pouco depois da notícia da morte, Rodriguez passou a ser ameaçado. "Fizeram chamadas telefônicas para a casa dele e a de sua mãe??, disse Enrique Godoy, dirigente do Comunicaciones. Os autores das ameaças são desconhecidos, mas suspeita-se que sejam torcedores do Municipal. Para garantir a segurança do jogador, o clube levou-o para um local não revelado, "até que as coisas se acalmem??.Outra morte registrada no domingo foi em Kiev, durante um treino do time juvenil do Arsenal, clube da primeira divisão ucraniana. Andrei Pavitsky, de 17 anos, caiu no gramado após um exercício. Ele ainda foi levado a um hospital, mas os médicos não conseguiram salvá-lo. A autópsia irá determinar a causa da morte.

Agencia Estado,

02 de março de 2004 | 19h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.