Morte de policial provoca suspensão de rodada do Italiano

Um policial foi morto durante confronto de torcedores do Catania com a polícia, nesta sexta-feira, em Catânia. O time que leva o nome da cidade enfrentou o Palermo, no clássico da região da Sicília, pelo Campeonato Italiano. Filippo Raciti, inspetor-chefe da polícia de Catânia, foi atingido pela explosão de uma carta-bomba deixada por um torcedor sobre sua viatura, segundo o site do jornal Gazzeta dello Sport. Levado prontamente a um hospital, não resistiu aos ferimentos e faleceu. Deixou esposa e dois filhos.Devido ao incidente, o comissário extraordinário da Federação Italiana de Futebol, Luca Pancalli, ordenou o cancelamento de todas as competições de futebol previstas no país para este final de semana, desde a Primeira Divisão do Campeonato Italiano - que está suspensa por tempo indeterminado - até os torneios juvenis. Além disso, foram suspensos os amistosos entre as seleções principais de Itália e Romênia e entre os times sub-21 de Itália e Bélgica, que seriam disputados na próxima semana. "Isso (confronto) não é esporte, não se pode mais agüentar essa situação. Basta", afirmou, em entrevista coletiva. A briga começou nas arquibancadas do Estádio Massimino, de propriedade do Catania. Revoltados com a derrota por 2 a 1, torcedores do time da casa começaram a atirar pedras e bombas nos policiais. Após a partida, a confusão estendeu-se para as ruas vizinhas. Mais de cem pessoas ficaram feridas. Segundo a imprensa italiana, não houve enfrentamos com a torcida do Palermo, que ficou isolada no estádio por várias horas até que a situação voltasse à normalidade.Pancalli afirmou ainda que as partidas de futebol não voltarão a ser disputadas na Itália se não forem tomadas medidas drásticas contra a violência.O Primeiro Ministro italiano, Romano Prodi, expressou seu pesar aos familiares do policial e apoiou a decisão de suspender a realização de jogos de futebol no país. "Atitudes fortes devem ser tomadas contra a degeneração do esporte."Atualizado às 22h40

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.