Morte de torcedor terá inquérito

O advogado José Luiz Pereira, que representa a família do torcedor assassinado Marcos Gabriel Cardoso Soares, de 16 anos, abriu um inquérito no 13º Distrito Policial (Casa Verde) por negligência contra o médico Paulo Shigeru Ishikawa, a doutora Castálide Benetom de Campos Lopes, diretora do; PS Dr. Álvaro Dino e Almeida, a prefeita Marta Suplicy e o secretário municipal de saúde, Gonçalo Vecina Neto. De acordo com o advogado, a prefeitura deveria dispor de recursos suficientes para equipar o hospital com um aparelho de tomografia computadorizada. O exame mais específico indicaria a lesão no cérebro de Marcos. No entanto, o médico encaminhou o torcedor para um simples raio X e, logo em seguida, dispensou o jovem pelo exame não apontar nenhuma lesão. No dia seguinte, Marcos acordou com fortes dores na cabeça, foi internado e depois morreu por traumatismo craniano. "O Marcos chegou consciente e andando ao PS. Temos a ficha toda preenchida pelo atendimento que fizeram a ele. Então, deveriam encaminhá-lo para outro hospital porque ele tinha um plano de saúde próprio. Além disso, não poderiam liberá-lo em um período inferior a 24 horas já que sofreu um trauma encefálico", explicou José Luiz Pereira. No inquérito, o advogado incluiu os exames de raio X feito pelo PS e a tomografia computadorizada que comprova a lesão no cérebro do jovem. Nos próximos dias, duas testemunhas que acompanhavam Marcos deverão ser ouvidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.